Vaticano dá ênfase a ajuda privada para doenças neurodegenerativas

Vaticano dá ênfase a ajuda privada para doenças neurodegenerativas

O Vaticano anunciou nesta terça-feira a organização de um congresso iminente sobre as doenças neurodegenerativas, insistindo na mobilização dos atores privados – associações, igrejas – para acompanhar milhões de pessoas idosas afetadas por estas enfermidades.

A conferência, organizada pelo Conselho Pontifical para a Pastoral da Saúde, se realiza no Vaticano entre quinta-feira e sábado. No sábado, os participantes serão recebidos, juntamente com doentes, pelo papa Francisco.

Segundo estimativas pulicadas nesta terça-feira pelo Vaticano, mais de 50% das formas de demência senil são casos de Alzheimer.

“A escolha de dedicar esta conferência a estas patologias nasce da constatação do crescimento exponencial do número de pessoas idosas doentes. As pessoas afetadas são 36,5 milhões, com mais de 7,7 milhões de novos casos a cada ano e um novo caso a cada quatro segundos”, explicou o monsenhor Jean-Marie Mupendawatu, secretário deste Conselho Pontifical em uma coletiva de imprensa.

Segundo as mesmas estimativas, em 2030, os doentes poderão superar os 65 milhões.

O papa Francisco, segundo seu ‘ministro da Saúde’ Zygmunt Zimowski, contribuiu “com suas palavras e testemunho com as pessoas idosas”, para “renovar e reforçar” o impulso para organizar esta conferência, que deseja uma participação particularmente elevadas.

A presença de 700 cientistas, médicos, religiosos e voluntários procedentes de 57 países é uma garantia da “pluralidade” das abordagens, afirmaram os organizadores.

O Vaticano quer enfatizar o apoio àqueles que não são “considerados economicamente produtivos”, prevenindo contra o risco de um recurso crescente à eutanásia, em face dos custos que representam estes encargos que os Estados não podem suportar sozinhos.