Uma parte da população terá que aprender a programar, diz CEO da PwC

Tim Ryan, que comanda a auditoria britânica nos Estados Unidos, porém, ainda prevê a necessidade de outros profissionais no futuro

São Paulo – Saber programar poderá ser tão importante para o futuro profissional da próxima geração de trabalhadores quanto falar um outro idioma com perfeição. Pelo menos para uma parte dos trabalhadores do futuro. Essa é a previsão de Tim Ryan, CEO da unidade americana da auditoria britânica PricewaterhouseCoopers, a PwC.

Em entrevista exclusiva para a EXAME, o executivo afirma que prevê um futuro em que as ciências matemáticas serão cada vez mais demandadas, mas não vê as próximas décadas tomadas apenas por profissionais de TI. Para ele, “não existe um mundo em que todos são programadores”.

Qual a sua avaliação sobre as mudanças que a tecnologia está causando no mercado de trabalho?

Eu sou um otimista para onde o mundo está indo. De uma perspectiva de tecnologia, está claro que o mercado de trabalho vai passar por mudanças e isso já está acontecendo. Teremos trabalhos executados por pessoas, por máquinas e por ambos. O grande desafio é saber como vamos inspirar uma nova geração de trabalhadores sem deixar ninguém para trás.

Os governos precisam agir de forma mais efetiva para ajudar nesta transição profissional das próximas gerações?

Quando eu olho sobre os principais problemas que definem a nossa sociedade. Eu acredito que os governos que desejam ser relevantes precisam fazer mais. Os empregos estão mudando rapidamente. Além dos governos, é importante que acionistas e empregadores façam algo para não deixar essa geração, que está passando por mudanças no mercado de trabalho, seja abandonada.

Qual a sua previsão para os empregos das próximas décadas?

Eu acho que as ciências matemáticas serão extremamente importantes para o futuro. Há uma série de profissões que serão demandadas ao longo dos próximos anos. Serão necessários profissionais de saúde, de tecnologia, de design e também serão necessários mais professores.

Aprender linguagens de programação será tão essencial como saber falar inglês hoje em dia?

Eu acho que haverá uma parte crítica da população que terá que aprender a programar. Eu não vejo que todos terão que fazer isso. Não há um mundo em que todos são programadores, mas uma grande parte terá que fazer isso.