Um novato faz história na Indy-500 — a VIP esteve in loco, veja nossas impressões

A centésima edição das 500 Milhas de Indianápolis foi marcada pela vitória de uma “zebra”: o estreante Alexander Rossi

Os Estados Unidos construíram sua história e reputação como a terra das oportunidades. Então, nada mais justo que na centésima edição da corrida mais antiga do mundo, as 500 Milhas de Indianápolis, disputada no último domingo (29/05) na cidade norte-americana, um estreante desconhecido do público entrasse para a história do esporte e se tornasse um piloto conhecido em todo mundo do dia para a noite.

O conto de fadas da vida real foi escrito pelo norte-americano Alexander Rossi, de apenas 25 anos. Mas não pense que o vencedor da Indy-500 foi sempre um rei dos ovais. Ao contrário, esta foi apenas sua segunda prova neste tipo de corrida, e o californiano quis construir seu nome na Europa, onde conseguiu conquistar importantes como o título da F-BMW e também o vice-campeonato da GP2 no ano passado – a divisão de acesso na F-1.

Foto: Rodrigo França

Foto: Rodrigo França

Ele chegou a correr na principal categoria do automobilismo do mundo em 2015, pela pior equipe do grid, a Manor. Quase conseguiu um feito histórico ao pontuar em Austin, justamente no GP dos Estados Unidos, onde Lewis Hamilton se sagrou tricampeão mundial.

Mas quis o destino que os holofotes estivessem voltados para ele no dia 29 de maio de 2016, quando mais de 350 mil pessoas lotaram o autódromo mais famoso do mundo. Com uma estratégia ousada de combustível, poupando até a volta final, ele levou o time de Michael Andretti e Bryan Herta (dois ex-pilotos com muita história na Indy) à sua primeira vitória na categoria – e justamente na centésima Indy-500!

Veja também:

“É inacreditável”, disse logo ao descer do carro. Na entrevista coletiva logo após a corrida, porém, mostrou-se mais confiante de que aquele era seu dia. “Sabia que tinha chance de vitória, mesmo com a 11ª colocação no grid, que por sinal achei um resultado ruim, apesar de todos me cumprimentarem por ser bom para um estreante”, disse.

Foto: Rodrigo França

Foto: Rodrigo França

WhatsApp-Image-20160530 (1)

Não foi a primeira vez que um novato venceu a Indy-500 – o próprio brasileiro Hélio Castroneves venceu sua primeira tentativa em 2001. Ontem, ele também esteve forte na prova, mas um pit stop para reparar um spoiler traseiro tirou suas chances. Tony Kanaan ficou ainda mais perto do primeiro lugar – liderou até as voltas finais, mas a estratégia de combustível exigiu uma parada no finalzinho. Ainda assim, chegou em quarto. “Foi minha melhor corrida em Indianápolis, até melhor do que a que venci, em 2013”, disse o brasileiro, que em 2016 se tornou o piloto que mais liderou voltas na história desta prova centenária.

Mas agora o famoso troféu da Indy-500 tem um novo rosto estampado – o de Alexander Rossi. Perguntado pela VIP sobre seus ídolos, ele elegeu Mika Hakkinen – que, assim como ele, não era tão famoso quando lutava contra Michael Schumacher na F-1, mas ainda assim fez história. E relembrou também a corrida de 2006 quando Marco Andretti, filho de seu chefe de equipe, quase venceu como um estreante.

Foto: Rodrigo França

Foto: Rodrigo França

Não deu para Marco, mas Rossi agora entrou para história. Um sobrenome que já era famoso pelas motos do italiano Valentino (sem parentescos, claro), e agora será sempre lembrado pela inédita conquista na centésima edição.