Turista perdido no deserto sobrevive comendo moscas

Turista alemão que se perdeu no deserto australiano sobreviveu por duas semanas se alimentando de moscas

Um jovem turista alemão que se perdeu no deserto australiano sobreviveu por duas semanas se alimentando de moscas, revelou a polícia nesta sexta-feira.

Daniel Dudzisz, de 26 anos, havia desaparecido em fevereiro quando realizava uma excursão entre Windorah e Jundah, duas pequenas aldeias de Queensland (leste da Austrália), uma região pouco povoada.

O jovem, que foi encontrado na quinta-feira por um motociclista, se perdeu após inundações, frequentes na região, segundo explicou à polícia.

Para sobreviver, se alimentou de insetos.

“Ele brincou dizendo que nunca passou fome no deserto, graças à abundância de moscas que podem ser comidas, e que, segundo ele, são fontes de proteína”, declarou Mark Henderson, um oficial da polícia local ao canal ABC.

O turista percorria há meses os estados de New South Wales e Queensland, mas mantinha contato regular com as autoridades locais.

Após sair no dia 17 de fevereiro de Windorah em direção a Jundah, uma viagem de quase 90 quilômetros de distância, se viu bloqueado entre duas áreas inundadas pelo rio Barcoo.

“Ele tinha alguns grãos e cereais enlatados, que rapidamente acabaram, e disse que a partir de então só comeu moscas”, disse Mark Henderson.

Quando as autoridades de Jundah perceberam que o jovem demorava muito para retornar, lançaram uma operação de busca pela aérea.

O jovem disse à polícia que queria continuar a sua jornada, que o levaria para o Território do Norte, uma região ainda mais isolada do que a que acabara de cruzar.

Daniel Dudzisz não quis ser examinado por um médico.

“Ele estava com muita fome, mas parecia estar em boa forma”, disse o policial.