Trem da Alstom movido a hidrogênio estreia na Alemanha

Os trens são “mais caros de comprar do que os modelos a diesel, mas são competitivos no tocante aos custos do ciclo de vida como um todo”

O trem de passageiros movido a hidrogênio da Alstom recebeu licenciamento na Alemanha nesta semana, dando início a uma iniciativa da maior economia da Europa para eliminar gradualmente o diesel, um combustível altamente poluente, do transporte regional.

O estado alemão da Baixa Saxônia encomendou 14 modelos Coradia iLint da Alstom, segundo o website da empresa com sede em Saint-Ouen, na França. Os trens podem transportar 300 passageiros, chegam a velocidades de até 140 quilômetros por hora e percorrem cerca de 800 quilômetros com o tanque cheio de hidrogênio.

A Alstom tem encomendas provisórias para mais 39 trens de outros três estados alemães, e Reino Unido, Dinamarca e Holanda também mostram interesse pelos trens. A Alemanha está comprando as unidades para substituir o diesel nos serviços regionais, segmento em que a eletrificação é cara demais ou impraticável, informou o governo nesta semana.

Os trens são “mais caros de comprar do que os modelos a diesel, mas são competitivos no tocante aos custos do ciclo de vida como um todo”, disse a porta-voz Isabelle Tourancheau-Grigoriev, por telefone, da França, na sexta-feira. “E são muito melhores para o meio ambiente.”

O Coradia iLint utiliza células de combustível que combinam hidrogênio e oxigênio para produzir eletricidade, que é armazenada em baterias de íons de lítio no chassi do trem. Os trens emitem água e vapor como produtos da exaustão.

Cerca de 60 por cento do sistema ferroviário nacional da Alemanha é eletrificado, segundo a empresa pública nacional de transporte ferroviário Deutsche Bahn. A nova coalizão da chanceler Angela Merkel planeja aumentar essa fatia para 70 por cento até 2025.