TIM passa a Claro e assume vice-liderança no LTE em julho

TIM foi a operadora que mais cresceu no período, somando 66,2 mil conexões e assumindo a posição da Claro, que obteve o menor crescimento das 4 maiores teles

São Paulo – De acordo com os dados da telefonia móvel no Brasil divulgados pela Anatel nesta quarta-feira, 28, o país teve uma mudança na segunda posição em LTE. Isso porque a TIM foi a operadora que mais cresceu no período: 88,11%, somando 66,2 mil conexões e assumindo a posição da Claro, que obteve o menor crescimento das quatro maiores teles (23,92%) e fechou o mês com 44,6 mil conexões. A Oi cresceu 42,16% e totalizou 30,4 mil acessos.

Entretanto, a Vivo, que no final do mês de agosto somará 40 municípios com cobertura 4G, permanece líder no LTE com 45,11% do mercado, total de 116 mil acessos, crescimento de 42,31%. Ao todo, o País possui 257,2 mil linhas 4G, crescimento de 47,75% em relação a junho.

3G Handsets

A TIM também cresceu agressivamente nos acessos via handsets 3G WCDMA: a operadora foi responsável por quase a metade (44,4%) de todas as adições líquidas de junho a julho, obtendo o maior avanço: 9,14%. Agora, a empresa conta com 18,693 milhões de acessos, mantendo o segundo lugar apesar do avanço da Vivo, que cresceu 4,19% e fechou o período com 17,094 milhões. A líder continua sendo a Claro, com 29,222 milhões de acessos, crescimento de 3,62%. A Oi, em quarto, cresceu 2,81% e fechou o mês com 8,098 milhões. A Nextel finalmente mostrou números mais substanciais em dispositivos 3G, fechando o mês com 2,9 mil acessos por conta do início das operações da rede em São Paulo.

Modem 3G

A estratégia comercial da Nextel foca em handsets, mas o grande crescimento em 3G foi por meio de modems de dados: avanço de 31,19%, total de 157,9 mil linhas. A Vivo também contou com crescimento, mas proporcionalmente menor, de 1,64%, continuando com folga na liderança ao somar 3,438 milhões de acessos, quase metade de todo o mercado. De resto, todas as outras perderam base e fecharam o mês assim: Claro com 2,014 milhões; TIM com 730 mil; e Oi com 157,866 mil.


Assim, observa-se uma tendência de que o brasileiro está utilizando menos os modems e tablets 3G. De maio a junho, o crescimento se arrefeceu de 0,70% para 0,10%. Agora, em julho, o mercado registrou resultado negativo: queda de 0,20%, e o total do País é de 7,050 milhões de acessos.

M2M

Já o mercado máquina-a-máquina (M2M) foi embalado principalmente pela Vivo, que sozinha foi responsável por 95,04% das adições líquidas no período. A operadora cresceu 15,59% e fechou o mês com 1,931 milhão de conexões. Ainda assim, está longe da Claro, que avançou pouco (0,86%) mas continua na liderança com 3,532 milhões de acessos e 44,9% de share. A TIM perdeu 2,57% (total de 1,224 milhão) e a Oi avançou 0,32% (total de 1,056 milhão). A operadora móvel virtual (MVNO) Porto Seguro foi a que mostrou maior crescimento relativo: 19,64%, mas ainda conta com apenas 73,5 mil acessos M2M. O total no Brasil é de 7,874 milhões de linhas.

2G

A MVNO Datora (ainda sem ser contabilizada como Vodafone Brasil) apenas registrou acessos em GSM (10,2 mil). O Brasil registrou um total de 178,135 milhões de acessos 2G, e a líder é a Vivo com 30,32% do mercado, seguida de TIM (29,17%), Oi (22,42%) e Claro (17,89%). No geral, as operadoras registraram menos desconexões 2G em julho (queda de 1,44%) do que em junho (queda de 1,69%).

Total

Apesar disso, alavancado pelo 3G, o Brasil avançou 0,47% na base e fechou o mês com 266,999 mil acessos. A Vivo ainda lidera o mercado de telefonia móvel, com 76,589 milhões e crescimento de 0,51%. Mas quem mais cresceu no último mês foi a TIM: 0,67%, totalizando 72,678 milhões de conexões. No trimestre de maio a julho, a TIM foi a única que das quatro que não só manteve crescimento, mas também permaneceu sendo a que mais adiciona acessos, graças à performance no mercado de handsets 3G. Na prática, apesar dos avanços, a diferença entre as duas maiores operadoras do País continuou quase intacta.

Também vale destacar que, no total, a Claro não apenas recuperou os acessos perdidos em junho, como ainda cresceu 0,31%, fechando julho com um total de 66,676 milhões de acessos, mantendo o terceiro lugar. Em quarto lugar vem a Oi, que se também se recuperou (em junho ela foi a que mais teve desconexões), registrando avanço de 0,23% e fechando o mês com 49,822 milhões de linhas.