Tempestades catastróficas serão cada vez mais frequentes, diz MIT

Estudo sugere que eventos naturais que acontecem a cada século podem passar a ocorrer a cada três ou 20 anos

São Paulo – No ano passado, o furacão atlântico carinhosamente apelidado de Irene devastou a região do Caribe, parte da costa leste americana e chegou até o Canadá. Na época, o evento foi classificado como natural e que ocorre a cada cem anos.

Contudo, um estudo conduzido por uma equipe do MIT (Massachusetts Institut of Technology) e da Universidade de Princeton, encontrou evidências nada animadoras. Segundo a pesquisa, tempestades de alta intensidade e suas inundações violentas vão acontecer em janelas de tempo bem menores que um século.

Os pesquisadores usaram a cidade de Nova York como exemplo de análise. Em média a cada 500 anos, a cidade é alvo de inundações que superam os 3 metros de altura. A equipe combinou quatro padrões climáticos com amostras de furacões específicos. Os modelos então geraram 45.000 tipos de tempestades, num raio de 200 km da ilha de Manhattan.

Em seguida, os modelos foram submetidos a dois possíveis cenários. O primeiro, atual, representou o clima entre 1980 e 2000, enquanto o segundo usou previsões do que está por vir entre os anos 2081 e 2100. Tais estimativas, segundo o MIT, foram baseadas em dados do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas sobre as emissões de dióxido de carbono.

A conclusão é que com o aquecimento global, inundações que superam a marca dos 2 metros devem passar a acontecer a cada três ou 20 anos. Enquanto que, a cada 25 e 240 anos, é possível que o nível da água chegue facilmente aos 3 metros.

Atualmente, os diques de Manhattan têm apenas 1,5 metro de altura. Ou seja, em qualquer um dos dois cenários previstos pela equipe, é possível que Nova York fique embaixo d’água. A equipe deixa o alerta e enfatiza que os resultados obtidos podem ser usados pelas autoridades para minimizar impactos que tempestades de alta intensidade podem trazer para uma região.