Tecnologia permite que câmera de celular analise componentes químicos de objetos

Isso permite que as câmeras quebrem os componentes químicos de quase qualquer objeto a partir de certa distância sem ser necessário coletar amostras físicas

Uma startup israelense diz ter criado um software de processamento de imagem e lente óptica que pode transformar qualquer smartphone em um sensor hiperespectral.

Isso permite que as câmeras quebrem os componentes químicos de quase qualquer objeto a partir de certa distância sem ser necessário coletar amostras físicas. Os novos componentes da lente e do software surgiram de uma pesquisa na faculdade de engenharia da Universidade de Tel Aviv.

Ao The Wall Street Journal, a equipe da Unispectral Technologies explicou como o programa funciona: a lente e o software vão mais longe do que as matrizes de filtro das câmera dos smartphones atuais, permitindo que muito mais luz entre. O software mantém a resolução da imagem limpa mesmo que a câmera se afasta cada vez mais.

Cada objeto material no mundo tem uma assinatura hyperspectral , que é sua impressão digital química. Uma vez que a câmara tenha adquirido a imagem, os dados são enviados para um terceiro para processar e analisar os compostos do material e a quantidade de cada componente da imagem. Este terceiro, em seguida, envia as informações de volta para o smartphone. A tecnologia funciona em vídeo e em fotografia.

A startup disse ao WSJ que ainda não começou a trabalhar com um analisador terceiro ainda, mas está em negociações com os principais fabricantes de smartphones,  empresas automotivas e organizações de segurança. A Unispectral ainda precisa encontrar uma empresa ou organização que possa analisar os dados a partir de imagens de suas câmeras, e este analisador precisará ter um banco de dados de assinaturas hiperespectrais.