Tecnologia brasileira perde espaço no pré-sal

Petrobras trabalhará com critérios menos rígidos de conteúdo sofisticado "made in Brazil"

Brasília – Nos discursos oficiais, a exploração e produção de petróleo e gás no campo de Libra, no pré-sal, vai propagar uma nova onda de desenvolvimento da indústria nacional de ponta. Porém, a Petrobras trabalhará com critérios menos rígidos de conteúdo sofisticado “made in Brazil”.

Para evitar um recuo político na estratégia de desenvolvimento das cadeias produtivas brasileiras, por meio da política de conteúdo local mínimo, o governo mudou a composição dos contratos que serão celebrados entre a União e os consórcios vencedores do leilão previsto para o dia 21.

Itens com alto valor tecnológico agregado perderam força, enquanto a obrigatoriedade mínima de requisitos mais simples para a operação no pré-sal foram elevados. Ao final dessa “contabilidade criativa”, o governo conseguiu manter no primeiro contrato de partilha do petróleo (que será firmado após o leilão de Libra) os mesmos 37% de conteúdo local mínimo na fase de exploração e de 55% na etapa de produção verificados nos contratos em vigor, feitos sob o regime de concessão.

Para isso, a exigência de “engenharia básica” nacional, que nos contratos antigos era de 50%, no pré-sal saltará a 90%. Por outro lado, o uso de “sistema de controle submarino” nacional na etapa de coleta da produção, altamente sofisticado, caiu de 50%, nos contratos antigos, para 20% no pré-sal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.