SpaceX cancela pela 3ª vez envio de 60 satélites ao espaço

Rajadas de ventos fortes a grande altitude impediram que o lançamento acontecesse nesta segunda

Miami — A empresa SpaceX teve que cancelar nesta segunda-feira (27), pela terceira vez desde a semana passada, um novo envio de 60 satélites da rede Starlink, com os quais pretende fornecer internet de alta velocidade aos usuários em qualquer parte do mundo.

O lançamento do foguete Falcon 9 estava programado para as 9h49 do Cabo Canaveral, na Flórida (11h49 de Brasília), mas rajadas de ventos fortes a grande altitude impediram que isso acontecesse, como confirmou a empresa aeroespacial.

Horas antes do lançamento o SpaceX anunciou que havia 50% de chance de adia-lo devido às previsões meteorológicas para esta manhã, que, como previsto, foi muito nublada. Haverá uma nova tentativa às 9h28 (local, 11h28 de Brasília) desta terça-feira, quando os meteorologistas preveem condições melhores.

O último lançamento desse projeto aconteceu no início deste mês, quando a SpaceX se tornou a empresa com os satélites mais operacionais em funcionamento. Quando o lançamento cancelado hoje ocorrer, haverá 240 satélites Starlink em órbita em volta da Terra.

 

A maioria das missões SpaceX previstas para 2020 fazem parte do programa Starlink, para as quais necessita de pelo menos 400 satélites em órbita para fornecer uma cobertura mínima.

O propósito do SpaceX é colocar cerca de 1.584 satélites na órbita da Terra, cerca de 549 quilómetros acima da Terra, uma distância muito mais curta do que é habitual para estes dispositivos comerciais.

O principal objetivo do projeto Starlink é fornecer Internet de alta velocidade e constante aos usuários de todo o mundo através desta constelação de satélites que irão operar em órbita baixa, o que permitirá uma melhor conexão e serviço.

Na semana passada, a SpaceX, empresa propriedade da Elon Musk, também proprietária do fabricante de automóveis Tesla, realizou com sucesso um teste na cápsula do Dragão da tripulação para verificar o sistema de abandono da nave em caso de acidente ou perigo para os ocupantes durante a descolagem.

Este teste em pleno voo é um dos necessários que teve de ser realizado pela companhia fundada por Musk para lançar os primeiros voos comerciais para o espaço com humanos, que estão programados para começar num futuro próximo com os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley.

A maioria das missões SpaceX previstas para 2020 faz parte do programa Starlink, para as quais precisa de pelo menos 400 satélites em órbita para fornecer uma cobertura mínima.

O propósito da empresa é colocar cerca de 1.580 satélites na órbita da Terra, cerca de 549 quilômetros acima do planeta, uma distância muito mais curta do que é habitual para esses dispositivos comerciais.

Na semana passada, a SpaceX, empresa da Elon Musk, também proprietária do fabricante de automóveis Tesla, realizou com sucesso um teste na cápsula do dragão da tripulação para verificar o sistema de abandono da nave em caso de acidente ou perigo para os ocupantes durante a decolagem.

O teste em pleno voo é um dos que a companhia fundada por Musk precisou fazer para lançar os primeiros voos comerciais para o espaço com humanos, que estão programados para começar em um futuro próximo com os astronautas da Nasa Bob Behnken e Doug Hurley.