Satélite abandonado no espaço em 1967 volta a transmitir sozinho

Até agora, a NASA achava que o LES1 já tinha virado lixo espacial há muito tempo, e não imaginava que ainda fosse capaz de transmitir qualquer sinal

Depois de quase quatro décadas flutuando sozinho no espaço, um satélite abandonado volta à ativa e começa a enviar sinais sonoros fantasmagóricos para a Terra – ninguém sabe exatamente o por quê.

Essa história parece o começo de um filme da franquia Alien, mas o satélite é real e tem nome: é o LES1, largado em órbita pelos americanos em 1967.

Até agora, a NASA achava que o tal satélite já tinha virado lixo espacial há muito tempo, e não imaginava que a lata velha ainda fosse capaz de transmitir qualquer sinal, por mais fraco que fosse.

Isso porque o LES1 falhou em sua missão antes mesmo de entrar em órbita: desenvolvido pelo MIT como um teste militar, ele foi lançado em janeiro de 1965, junto com outros oito satélites (nomeados de LES1 a LES9), mas teve um problema sério de lançamento que acabou fazendo com que ele ficasse “estacionado” muito antes do que deveria. O erro no lançamento também fez com que as transmissões do satélite fossem cortadas.

Como todos os outros LES tiveram sucesso, os cientistas responsáveis nem ligaram para o LES1, sozinho e calado no espaço sideral. Eles pensavam que o trambolho – que é do tamanho de um carro – acabasse virando lixo espacial e pronto, mas não foi o que aconteceu: em 2013, o astrônomo amador Phil Williams, de North Cornwall, no Reino Unido, captou um sinal de rádio bizarro vindo do satélite.

Assustado, ele enviou o sinal para o MIT, e recebeu a confirmação de que era uma mesmo transmissão do satélite abandonado.

A explicação do MIT não tem nada de extraterrestre: embora as baterias do LES1 tenham desintegrado durante o lançamento, o pequeno satélite tinha painéis para captar energia solar, então a hipótese mais aceita é que os sinais de rádio sejam enviados para a Terra quando as placas são recarregadas pelo Sol.

Para os cientistas da NASA e do MIT, o legal dessa descoberta é perceber que nem toda tecnologia antiga é de se jogar fora: histórias como essa mostram que as máquinas velhas podem resistir por muito tempo em ambientes extremamente inóspitos, o que é uma boa dica de que estamos construindo satélites e naves do jeito certo. Isso ou os alienígenas estão se apossando do nosso lixo espacial por alguma razão militar de domínio da Terra… Vai saber.

Ouça o som do sinal fantasmagórico transmitido pelo LES1:

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Cleber Couto

    O

  2. Amauri Andrade Silveira da Silva

    Tenho observado que jornalistas tem grandes problemas com a matemática. O satélite está no espaço há cinco décadas, não quatro.

  3. 50 anos e a bateria ainda funciona… e esses filhos da mãe não conseguem fazer a bateria do meu celular durar dois dias… 😒

  4. Parece q vc n leu direiro a materia sobre as baterias…

  5. João Victor Martines

    Onde estão as fontes do artigo?

  6. João Victor Martines

    As baterias não funcionam, se desintegraram, são placas solares que fizeram ele ficar ligado quando recebe a luz solar, ta pensando em carregar uma dessa no bolso? será que ele estava mandando sinais na mesma qualidade? aposto que seu celular funciona.

  7. Alexandre Panariello

    O que eu acho incrível ! é que: ” a hipótese mais aceita é que” bla, bla, bla… Cientistas MIT, que criaram um satélite veem falar em “hipótese” ? Aonde estão os dados, logs, acessos, etc, desse satélite ? é um satélite !!! e não uma máquina de lavar. Deus proteja nossas cabeças !!!