Saída de Jobs não afeta briga da Apple com o Google

A renúncia de Steve Jobs ao cargo de CEO da Apple não deve trazer nenhuma vantagem competitiva imediata para o Google

São Paulo — A renúncia de Steve Jobs não vai provocar alterações no conflito entre iOS e Android, nem significará uma vantagem competitiva para o Google. A briga entre os dois sistemas operacionais seguirá o mesmo ritmo, uma vez que tanto Apple como Google provavelmente já têm planos desenhados pelo menos até o fim do ano que vem.

Jobs terá uma presença menor na sua empresa, mas continuará a dar palpites capazes de direcionar os rumos do iOS. E a equipe do Android terá novos desafios pela frente, uma consequência da compra da Motorola. Parceiros como Samsung e HTC vão dedicar parte dos seus esforços para o Windows Phone 7.5, que pode ou não deslanchar.

Sem o esforço de Jobs, iPhone e iPad não teriam saído do papel e a Nokia ainda reinaria no mercado de smartphones. O próprio Android teria seguido um rumo bem diferente. O G1, primeiro aparelho com o sistema, tinha uma interface inspirada em parte no BlackBerry. Foi a partir do sucesso do iPhone que o Google aboliu o teclado e a bolinha usada para direcionar o cursor. A partir do Eclair (2.0/2.1), os dois sistemas ficaram cada vez mais parecidos. E foi isso que detonou a guerra das patentes.

O iOS 5, nova versão do sistema operacional da Apple para iPhone e iPad, deve ser anunciado em setembro, provavelmente com o iPhone 5. A integração com o iCloud e a cópia de alguns recursos do Android, como a Central de Notificações, vão acirrar ainda mais a briga. Se o Ice Cream Sandwich não trouxer grandes inovações, a balança deve até pender para a Apple. Saberemos em breve.