Designer gasta US$ 50 mil em robô de Scarlett Johansson

Um designer de Hong Kong realizou o seu sonho de criar um robô com o rosto e o corpo similares ao de sua atriz de Hollywood favorita

São Paulo – Quanto custaria criar uma versão robótica de Scarlett Johansson? Um designer de Hong Kong chamado Ricky Ma gastou 50 mil dólares para fazer um protótipo de robô com as feições da atriz de Hollywood.

O resultado final é a robô Mark 1. Apesar da semelhança extrema, o criador não disse publicamente que Johansson serviu de inspiração — mas é difícil negar, depois de olhar o resultado.

O corpo da Mark 1 foi 70% criado a partir da impressão 3D. O esqueleto armazena todas as peças mecânicas e eletrônicas para que a robô funcione e todo ele é envolto por uma camada de silicone muito similar à pele humana.

Além de fazer movimentos básicos, como mexer braços, pernas e até algumas partes da face, a Mark 1 também tem microfone acoplado que permite que ela responda às perguntas a partir de um comando de voz.

Em vídeo publicado pela Reuters, a robô recebe o seguinte elogio de seu criador: “Mark 1, você é tão bonita”. Em resposta, ela relaxa os “músculos” ao redor de seus olhos, esboça um sorriso e diz com uma risada: “Hehe, obrigada”.

 

Ma disse à Reuters que acredita que o mercado de robótica irá crescer nos próximos anos e, por isso, espera que algum empresário invista em seu protótipo. O designer também quer escrever um livro sobre a experiência de criar um robô do zero para que outros entusiastas se sintam encorajados a seguir os seus sonhos.

“Durante o processo de criação, muitas pessoas diziam coisas como, ‘Você é estúpido? Isso vai custar muito dinheiro. Você nem sabe como fazer!’ Foi muito difícil”, disse Ma. “Eu percebi que deveria fazer apenas quando fosse o momento certo e que devia realizar o meu sonho. Se eu realizar o meu sonho, eu não terei arrependimentos na vida”, finaliza.

A Reuters não informa se alguma celebridade – ou a própria Johansson – entrou em contato com Ma para reivindicar seus direitos de imagem. Afinal, será que alguém gostaria de que seu rosto fosse reproduzido sem permissão? Provavelmente, não.