Moto X

logo-infolab

Sem entrar na disputa por núcleos no processador ou por quantidade de memória, o novo smartphone da Motorola pode atrair o consumidor com um recurso que encanta. Ele entende a voz do dono e executa tarefas mesmo quando desativado. Basta dizer “Ok, Google Now! Qual é a temperatura em São Paulo?” para que o aparelho seja ativado e informe a previsão do tempo, por exemplo.

O assistente de voz faz ligações, lê mensagens SMS, faz contas e ativa a orientação do GPS. O chip responsável por essa função reconhece o timbre do usuário. Isso faz com que os comandos sejam atendidos mesmo com barulho, além de evitar que outra pessoa use o smartphone. 

O reconhecimento de voz funciona em conjunto com o aplicativo Assist (assistente). Ele pode ler suas mensagens SMS e enviar uma resposta padrão enquanto você dirige. Vale dizer que um dos recursos mais práticos é justamente o reconhecimento que ativa o navegador. O Assist tem três modos de operação: Dirigindo, Reunião e Noturno. Cada um deles tem ações distintas para programação.

Nos testes do INFOlab, o recurso funcionou sem engasgos na orientação de trânsito, em ligações e para ajudar a dividir a conta do bar. A interface do Android é praticamente pura, com modificações simples, como uma barra de acesso rápido na central de notificações.

O smartphone é leve e tem um bom tamanho para carregar no bolso. Apesar a tela de 4,7 polegadas (com 1280 por 720 pixels e densidade de 312 pixels por polegada), o design faz com que o Moto X pareça menor do que realmente é. As cores da tela são bem definidas, sem serem exageradas, como acontece em alguns smartphones que também contam com tecnologia AMOLED.

Assim como no iPhone 5, o aparelho usa chip micro SIM e conta com uma chave exclusiva para o slot que vem na embalagem do produto.

A bateria de 2.200 mAh do aparelho dura em média 14h de uso de chamadas com Wi-Fi e Bluetooth ativos. Mas desligando o GPS e navegando pouco, a recarga é capaz de aguentar até dois dias.

Hardware

O Moto X conta com uma arquitetura própria de hardware, chamada X8 Mobile Computing System. Portanto, o aparelho tem processador Qualcomm Snapdragon S4 Pro dual core de 1,7 GHz, GPU Adreno 320 quad-core, um chip é dedicado à linguagem natural, e outro à computação textual.

Independentes, certamente há uma interface entre eles. E é através deste mecanismo que a voz do usuário pode ser escutada em qualquer ocasião (mesmo bloqueado). 

Apesar da novidade, o smartphone perde para o Gaalxy S4 nos resultados de benchmark.

A memória RAM é de 2 GB e o armazenamento interno é de 16 GB (com 12 GB livres para uso), mas não há slot para cartão micro SD.

A configuração de hardware garante um desempenho sem engasgos mesmo quando executa jogos “pesados”, como o Real Racing 3, que tem redenderização de gráficos acima da média dos games. No uso do dia a dia, aplicativos como editores de texto, redes sociais e mensagens funcionam bem.

Um detalhe é que o carregador do Moto X tem duas entradas USB, possibilitando o recarregamento de até dois dispositivos ao mesmo tempo.

Comandos de Voz

Os comandos do voz diferenciam o Moto X entre os aparelhos com sistema Android. É possível fazer ligações, pesquisas na internet, consultar a previsão do tempo, controlar o GPS e mandar mensagens. Quanto às funcionalidades, o assistente pessoal lembra o Siri, do iPhone. No entanto, o chip dedicado para compreensão de voz oferece um melhor desempenho do que o “concorrente” da Apple.

Para cadastrar uma voz, é preciso ir ao menu configurações, selecionar “Comando Inteligente de Voz” e “Treinamento de Frase de Inicialização”. Então, você precisa repetir três vezes a frase de comando do assistente, que é “OK, Google Now”.

Foto por: Reprodução

Apesar da novidade parecer muito personalizada, timbres diferentes de voz podem ser reconhecidos. Ou seja, outra pessoa com uma voz semelhante pode usar o seu assistente virtual. Mesmo não sendo muito seguro, essa identificação de variações de timbres é importante, já que, se o usuário estiver com a voz diferente (por exemplo, ao acordar), o aparelho poderia não reconhcê-lo.

Vídeo

http://videos.abril.com.br/info/id/12b8e7710a4835f9efbbf16b2dc9c32b

<

h3>Foto e câmera

O aparelho é o primeiro a usar o acelerômetro para ativar o aplicativo de câmera: com um giro rápido (mantendo o aparelho na vertical), você está pronto para fotografar. A novidade funciona até mesmo se o smartphone estiver bloqueado Esse atalho, apesar de não funcionar em 100% das vezes, é bom para que você não ative a câmera sem querer ao tirar o smartphone do bolso.

A interface da câmera foi uma das que mais sofreu modificações. Para acionar o menu de câmera basta arrastar o dedo da borda esquerda para o centro. Para ir para a galeria, você deve arrastar em sentido contrário. Arrastando para cima e para baixo você controla o zoom digital, de 4 vezes. 

Tanto as fotos quanto o foco são executados com um toque na tela, em qualquer posição dela. Isso não é muito prático, já que muitas vezes você bate fotos sem querer ao ajustar o foco. 

As fotos panorâmicas não são as esféricas da linha Nexus. Há também um recurso de vídeo em slow motion. 

O sensor da câmera também é um componente único na indústria: um CMOS de 10 MP e proporção 16:9 da OmniVision. Ele é um pouco maior que o convencional (1/2,6 polegada). Isso implica em photosites igualmente maiores de 1,4 microns (comparando, o usual é 1,1 microns e o HTC One tem pixels que medem 2,0 microns).

Seu atributo mais incomum, contudo, é o filtro de cor que não segue a matriz de Bayer. Quase todas as câmeras filtram cores da cena através de uma grade 2 po 2 RG, BG. O Moto X, por sua vez, substitui um dos pixels verdes por um “clear pixel”: Ou seja, ele troca resolução espacial por maior sensibilidade e melhores resultados em ambientes escuras.

O atual software de câmera do Moto X não reconhece bem as imagens com grande quantidade de luz e as fotos ficam “estouradas”. Uma atualização do aplicativo já foi disponibilizada em alguns países para minimizar o problema, mas ela ainda não está disponível no Brasil.

Update: O Google liberou nesta quinta-feira (24) a atualização que corrige o aplicativo da câmera. Confira aqui como ficaram as fotografias feitas com o aparelho.

Foto por: Cauã Taborda

Foto por: Cauã Taborda

Foto por: Cauã Taborda

 

Ficha técnica

Conexão 3G e 4G (LTE)
OS Android 4.2.2
Processador Qualcomm Snapdragon S4 Pro
Câmera 10 MP e 2 MP
Peso 133 g
Duração da bateria 14h

Avaliação técnica

Prós Comandos de voz, ergonomia e bom gerenciamento de energia
Contras As cores das fotos poderiam ser mais nítidas
Conclusão Um dos melhores smartphones com sistema Android no momento
Configuração 8,5
Usabilidade 9,0
Diversão 8,4
Bateria 7,4
Design 8.8
Média 8.7
Preço R$ 1499