Review: iPhone 8 Plus é o iPhone certo para comprar em 2017

Smartphone da Apple evolui, melhora na questão da bateria, mas segue com câmera frontal aquém da concorrência; veja prós e contras

São Paulo – O iPhone 8 Plus foi apresentado como uma versão evolucionária do iPhone 7 Plus. O visual é bem parecido, exceto pelo revestimento, traseiro que é de vidro em vez de alumínio. O aparelho se posiciona como rival do Galaxy Note 8, da Samsung. Ambos são capazes de tirar fotos com duas câmeras e também podemos usá-las ao mesmo tempo para registrar retratos com fundo desfocado, gerando o efeito bokeh.

Essa versão do produto mais importante para a Apple não gerou longas filas nas lojas da marca ao redor do mundo como fez o vindouro iPhone X, que celebra os 10 anos de mercado do smartphone.

Ainda assim, ele é a versão mais madura de iPhone que já existiu, ao lado do iPhone SE. Ambos são os únicos a contar com três gerações com o mesmo padrão de design.

Com ótimos resultados em testes de desempenho e no uso diário ao longo das duas semanas de uso para este review, o iPhone 8 Plus se mostrou uma boa e natural evolução do iPhone 7 Plus. O aparelho já chega com o novo iOS 11, que gerou problemas a outros aparelhos, mas funciona bem neste novo produto.

Confira a análise do iPhone 8 Plus, ponto a ponto, a seguir.

Design

O design do iPhone 8 Plus mudou pouco, mas o vidro foi escolhido pela Apple como revestimento da parte traseira para melhorar a conexão ao carregador sem fio padrão Qi. Sim, este é o primeiro iPhone, junto ao seu irmão menor iPhone 8, a ter o recurso. A linha rival Galaxy S tem o recurso desde 2014. O carregamento por esse método é mais lento do que o convencional, mas seu suporte em um iPhone, smartphone mais popular no mercado americano, viabiliza a implementação de carregadores sem fio em móveis, como mesas ou sofás. Ou seja, o recurso é uma conveniência que a Apple demorou alguns anos para oferecer aos seus consumidores.

iPhone-8-Plus

 (Lucas Agrela/Site EXAME)

O vidro usado na parte traseira do iPhone 8 Plus traz à tona novamente um problema que os usuários de smartphones da Apple já tiveram no passado: o vidro pode se quebrar se o aparelho cair no chão. No caso do alumínio das versões anteriores, era comum que eles ficassem amassados ou riscados por causa de quedas–mas o estilhaçamento não era um risco simplesmente por não ser inerente ao metal. No aspecto durabilidade, o vidro é um passo para trás em direção ao finado iPhone 4s.

iPhone-8-Plus

 (Lucas Agrela/Site EXAME)

Ele também gera um problema: a dificuldade de realizar reparos. O iPhone 8 foi analisado pelo site iFixit, conhecido por dar notas de reparabilidade a produtos tecnológicos, que o considerou muito difícil de consertar. Atrás do vidro traseiro, há uma estrutura de metal com um buraco para o contato de carregamento wireless. Para unir vidro e metal, a Apple usou “muita cola”, o que põe em jogo a durabilidade do material no uso diário.

Um ponto positivo do vidro usado pela Apple é a sua facilidade de limpeza. Basta passá-lo na camisa para dar fins às marcas de dedos–pouco aparentes–ocasionadas pelo manuseio. As cores do produto jogam a favor para ocultar a oleosidade típica do toque humano.

Na mão, o iPhone 8 Plus é exatamente como o antecessor, as dimensões são muito parecidas. Como no passado, o conector de 3,5 mm não se apresenta e somente fones Bluetooh podem ser usados para ouvir músicas no aparelho. A Apple chamou o movimento de matar o conector P2 de uma atitude corajosa e logo depois vieram os fones sem fio AirPods. A coragem da Apple, infelizmente, gerou uma inconveniência aos consumidores, que agora não podem usar um daqueles fones antigos em casos de emergência. No Brasil, a popularidade dos fones com fio ainda é ululante.

iPhone-8-Plus3

 (Lucas Agrela/Site EXAME)

O modelo Plus ainda é um produto grande. Por não ter a tela infinita, as espessas bordas continuam acima e abaixo do display Full HD de 5,5 polegadas. Ou seja, apesar da maturidade do design, ele ainda é um produto que tem cara de 2016 e não de 2017.

O Touch ID segue como único método de autenticação biométrica do iPhone 8 Plus. O aparelho pode ser o último a contar com o componente que estreou no iPhone 5s, em 2014, segundo especialistas.

Câmeras

A grande novidade nesse aspecto é a evolução do modo retrato, lançado no iPhone 7 Plus do ano passado. Ele desfoca o fundo da cena e coloca uma ou mais pessoas em evidência. Agora, antes ou depois da foto, você pode escolher entre diferentes modos de iluminação. A ideia do recurso é simular a iluminação e os artifícios usados em estúdios de fotografia profissionais.

Um dos modos exclusivos de retrato é o de luz de palco, que deixa o fundo da cena preto enquanto a pessoa do retrato permanece colorida. Isso também pode ser feito em mono para deixar o indivíduo em preto e branco. Essas edições rápidas são feitas de maneira totalmente automática e com um breve delay que não chega a incomodar. Os diferentes modos de retratos oferecidos nesse iPhone podem salvar uma foto que não tenha ficado muito boa ou tornar uma boa foto realmente incrível.

Lucas

 (Lucas Agrela/Site EXAME)

Lucas-PB

 (Lucas Agrela/Site EXAME)

iphone-8-Plus-modo-retrato-preto

 (Lucas Agrela/Site EXAME)

O problema do modo retrato é o mesmo do passado: ele precisa de muita iluminação para funcionar bem. Ainda que seja um pouco melhor do que o antecessor, ambientes escuros deixam a foto como um todo aquém do que ela pode ser em locais com luz do sol ou uma boa iluminação artificial. Vale notar que só é possível usar o modo retrato na câmera dupla traseira.

Modo-Retrato-iPhone-8-Plus

 (Lucas Agrela/Site EXAME)

Quem esperava ver o módulo de câmeras de 12 megapixels do iPhone 7 Plus chegar ao iPhone 8 se frustrou. A versão menor do novo smartphone da Apple tem apenas uma câmera e registra somente as Fotos Vivas, nada de modo retrato nele.

As câmeras traseiras do produto também podem ser usadas para promover um zoom que não recorre ao digital. Isso pode facilitar a captura de boas cenas em situações em que você estiver longe do objeto da foto, como em um show, por exemplo. Fora do modo retrato, por padrão, as são registradas Fotos Vivas. Esse recurso está longe de ser novo, já que existe desde o iPhone 6s e está até no modelo pequenino iPhone SE. Mas agora você pode fazer algumas coisas interessantes: transformá-las em gifs animados (finalmente), colocar o videozinho para rodar em loop, criar um vídeo vai e volta (bem ao estilo Boomerang) ou aumentar a exposição da cena.

Cacto

 (Lucas Agrela/Site EXAME)

torta-de-damasco

 (Lucas Agrela/Site EXAME)

Parque

 (Lucas Agrela/Site EXAME)

Parque-do-Trote-SP-Vila-Guilherme

 (Lucas Agrela/Site EXAME)

Vasos-Abril

 (Lucas Agrela/Site EXAME)

A câmera frontal do iPhone 8 Plus segue como um dos principais pontos fracos do produto. As fotos têm 7 megapixels, mas não apresentam bom nível de detalhamento ou recursos de software nativos para embelezamento como os rivais com sistema Android. Em termos de conjunto de câmeras, o Galaxy Note 8 ainda é superior.

Lucas-Selfie-cam-iPhone-8-Plus

 (Lucas Agrela/Site EXAME)

Parece ainda que a Apple dedica a câmera frontal do seu smartphone ao serviço de videochamadas Facetime. Ainda assim, alguns recursos importantes se fazem presentes: gravação em Full HD a 30 fps e a detecção de faces.

Bateria

A bateria do iPhone 8 Plus se mostrou superior à do antecessor. O ganho de autonomia foi de uma hora, passando de cinco horas e meia para seis horas e meia de duração sob as condições do teste padrão do INFOlab.

No uso diário, o aparelho se mostrou um companheiro fiel. Em vários dias com uso moderado, ele voltou à tomada no fim da noite ainda com 20% de carga. Já em situações de uso intenso, a carga terminou por volta de 23h, tendo saído da tomada às 7h.

Configuração

O iPhone 8 Plus é o primeiro da sua categoria a contar com o A11 Bionic, o novo processador da Apple. Aliado a ele, há 3 GB de memória RAM.

A performance do aparelho se mostrou ótima para desempenhar todo tipo de tarefa. É possível editar vídeos em 4K, gravar músicas no Garageband ou jogar games em realidade aumentada com fluidez excepcional.

O NFC permanece presente como um recurso exclusivo do Apple Pay, o serviço de pagamentos da empresa que não foi lançado no Brasil–apesar da concorrência da Samsung e do Google no segmento.

Nos benchmarks, o iPhone 8 Plus deixou a concorrência para trás em rankings públicos. Em nossos testes, ele não conseguiu atingir o mesmo patamar no AnTuTu (217 mil pontos), mas se saiu muito bem.

Benchmark iPhone 8 Plus
Basemark OS II 4447
AnTuTu 192687
BasemarkMetal 1770

Vale a pena?

Com tantos problemas causados pelo recém-nascido iPhone X e falta de uma grande gama de apps plenamente compatíveis com o seu design peculiar, o iPhone 8 Plus é o iPhone certo para quem deseja comprar um produto maduro, plenamente funcional, cheio de recursos e sem contratempos para o longo prazo. Ele não tem design mais atual, mas é uma versão menos chamativa e quase tão boa quanto o iPhone X. Faltaram apenas o sensor de reconhecimento facial e os animojis para ele ficar completo. Mas essas características ainda são as exclusividades que dão o charme, junto com a tela infinita, ao iPhone X.

Avaliação

Prós: Câmera dupla, modo retrato e performance.

Contras: Design datado, câmera frontal deveria ser melhor

9,2