Qualcomm cria câmera de segurança com processador de celular

Nova tecnologia dá mais autonomia a sistemas de segurança e permite menor gasto de dados

São Paulo — A Qualcomm, responsável por alguns dos mais poderosos processadores de smartphones do mundo, pretende trazer seus componentes para câmeras de segurança e outros dispositivos móveis.

A empresa criou um modelo de câmera que utiliza o chipset Snapdragon 618, um processador de médio desempenho que pode até cuidar do processamento de duas câmeras ao mesmo tempo. O intuito é que isso permita um processamento local de vídeo, em vez de utilizar a nuvem para isso, o que economizaria uma quantidade considerável de dados no upload.

Atualmente, muitas câmeras filmam o tempo todo, enviam seus dados para a nuvem, que os processa e só envia para o servidor as partes interessantes (ou seja, com algum movimento diferente do usual). Com esse novo sistema, o processamento poderia ser feito direto na câmera, economizando banda e, dependendo da infra-estrutura, funcionando até sem internet.

O fato de suportarem redes LTE (4G) também permite que as próprias câmeras se comuniquem com o usuário, caso detectem algo e que sejam colocadas longe do alcance de uma rede Wi-Fi local. O poder extra de processamento de um chip como este também poderia permitir que se fizesse, localmente, uma análise da cena, reconhecendo faces de moradores, por exemplo.

A Qualcomm criou um modelo funcional, como prova de conceito, mas não fabricará cameras por si mesma, preferindo licenciar a tecnologia para outros fabricantes. Além disso, os processadores poderão ser utilizados em outros produtos, como em um exemplo dado ao site The Verge, um leitor de energia elétrica que envia informações de leitura todos os meses, dispensando um fiscal apenas para isso.

Os primeiros modelos deverão ser lançados em 2016 e ainda não possuem preço sugerido.