Promotoria dos EUA pede 60 anos de prisão para Manning

Washington - A promotoria solicitou à juíza militar Denise Lind nesta segunda-feira que o soldado americano Bradley Manning seja condenado a 60 anos de prisão pelo...

Washington – A promotoria solicitou à juíza militar Denise Lind nesta segunda-feira que o soldado americano Bradley Manning seja condenado a 60 anos de prisão pelo vazamento de mais de 700 mil documentos classificados para o site Wikileaks.

Na apresentação das alegações finais, o capitão Joe Morrow, que representa a acusação do governo americano, pediu que Manning passe a maior parte do restante de sua vida em uma prisão militar.Em sua opinião, o crime cometido por Manning ao divulgar informações sobre as guerras do Iraque e do Afeganistão, assim como centenas de milhares de correspondências diplomáticas do Departamento de Estado, é “sério”, por isso o soldado “deveria passar o resto de sua vida em confinamento”.

Por outro lado, David Coombs, advogado de defesa de Manning, disse que o soldado é um “humanista”, cujo “maior crime foi se preocupar com a perda de vidas das quais era testemunha”, segundo a transcrição feita por uma organização pela liberdade de imprensa no tribunal de Fort Meade (Maryland).

Coombs disse que Manning, de 25 anos, merece uma oportunidade para “amar”, se casar e criar uma família. Após a apresentação das alegações finais hoje, a juíza Denise Lind começará na manhã de terça-feira a deliberar e poderá pronunciar a sentença no mesmo dia ou na quarta-feira.

No final de julho, a juíza considerou Manning culpado de 20 acusações, entre elas a violação da lei de espionagem e o roubo de informações governamentais, mas o absolveu da acusação de “ajuda ao inimigo”, pelo qual o governo americano pedia prisão perpétua.

O pedido de 60 anos da promotoria é inferior aos 90 anos de pena máxima que a juíza determinou como teto para a sentença a Manning.