Pesquisadores aceleram evolução de espécies de corais para preservá-las

Cientistas australianos usam método de 'evolução assistida' para ajudar corais a se adaptarem às mudanças climáticas

Pesquisadores australianos estão usando um método de “evolução assistida” para tentar preservar a grande barreira de corais no Oceano Pacífico.

Os cientistas acreditam que ajudar esses corais a se adaptarem às mudanças climáticas é a melhor forma de conservá-los.  O método é considerado “extremamente novo” pelos pesquisadores, de acordo com o estudo publicado nesta semana.

A equipe do Instituto de Ciências Marinhas da Austrália usa uma máquina chamada Sea Simulator, para reproduzir a condição dos oceanos no futuro. O aparelho é um aquário gigante, que permite aos pesquisadores controlar temperatura, acidez, salinidade e outras variáveis da agua.

Ao expor corais à água quente e ácida dos mares do futuro, os cientistas esperam encontrar espécies que possam suportar as mudanças, e então reproduzi-las com outras espécies de coral que também tenham traços de resistência às mudanças climáticas.

A inspiração veio do Caribe, onde duas espécies de corais que viviam em um ambiente altamente degradado passaram a se reproduzir espontaneamente, e dessa forma conseguiram sobreviver.

Os pesquisadores também estão manipulando as algas e bactérias que vivem nos corais. Esses seres vivos possuem uma taxa mais rápida de evolução e podem ter um papel na capacidade do coral suportar temperaturas mais altas.

Barreiras de corais em todo o mundo registram grandes declínios nos últimos anos, à medida que a agua dos oceanos foi se tornando mais quente e ácida.Os recifes também estão ficando mais poluídos, sem nutrientes e com predadores mais invasivos, como a estrela-do-mar.

Na Austrália, uma pesquisa descobriu que a Grande Barreira de Corais, um dos maiores ecossistemas do planeta, perdeu quase metade de sua cobertura original devido ao aquecimento global e à poluição.