Peças para fabricação do iPad 2 já estão em Jundiaí

A Apple se prepara para iniciar a fabricação do iPad 2 no Brasil, por meio da sua parceira Foxconn. O primeiro lote de componentes para o tablet já está no país

São Paulo — Reportagem deste sábado (7) do Jornal de Jundiaí revela que dez carretas descarregaram, na sexta-feira, componentes eletrônicos da Apple no condomínio de galpões GR Jundiaí, onde estão instaladas empresas parceiras da Apple que vão atuar na fabricação do iPad 2 no Brasil. Os caminhões, protegidos por escolta armada, vinham do porto de Santos, entrando na GR por volta das 16h15, relata o jornal.

O jornal diz ter ouvido, de dois supervisores holandeses da empresa Syncreon, que pessoas estavam sendo treinadas para preparar mercadorias a ser despachadas por navios. “Não sabemos onde serão montados os equipamentos da Apple, mas podemos dizer que já estamos treinando essas pessoas”, teria revelado um dos homens, em inglês.

Syncreon

No mês passado, a Info revelou que a representação comercial da Apple no Brasil mudou, no dia 3 de março, o endereço de registro de sua filial da cidade de Santo André, na região metropolitana de São Paulo, para Jundiaí, no interior do estado.

O local – Rodovia Vice-Prefeito Hermenegildo Tonolli, 1.500 – fica no Distrito Industrial de Jundiaí, cerca de 50 quilômetros ao norte de São Paulo. É um condomínio fabril (GR Jundiaí) de 50 mil metros quadrados, ocupado, em sua maior parte (70% da área) por galpões modulares. As unidades de nº 1 e 16, com 1.835 metros quadrados e 2.015 metros quadrados de área, respectivamente, foram alugadas pela filial da Apple.


Ambos os galpões são citados como parte do endereço da filial da Apple, segundo a Junta Comercial do Estado de São Paulo. O galpão 16 pertence à Syncreon, empresa especializada em serviços de logística integrada para indústrias globais, enquanto o galpão 1 é de outra empresa de logística, a HB Logistics, do grupo Hesselbach. A fábrica da Foxconn, que monta produtos da Apple, como o iPad 2, na China, fica a cerca de 5 quilômetros de distância do condomínio da GR.

Em seu site, a Syncreon diz atuar no “manuseio, processamento e gerenciamento do fluxo de entrada e saída de materiais e produtos para fabricantes e OEMs”. No idioma inglês, a sigla significa “Original Equipment Manufacturer”, termo usado para designar quando uma empresa monta produtos para marcas terceiras, exatamente como trabalha a Apple com seus parceiros no mundo.

Acordo de sigilo

Procurada, a Syncreon confirmou a transferência de parte de suas operações do município de Santo André para a cidade de Jundiaí, para o condomínio da GR, conforme o documento da Junta Comercial. Questionada a respeito do nome da parceira e do segmento, a Syncreon disse na época não poder revelar tais informações em virtude de um acordo de sigilo.

A ficha da Syncreon na Jucesp diz que a empresa desempenhará no galpão de Jundiaí as atividades de “armazenagem geral e serviços de embalamento e desembalamento de materiais e componentes de propriedade de terceiros e sua movimentação para o local cliente”. Ao que tudo indica, a área industrial do condomínio GR será um ponto para receber e armazenar componentes de produtos Apple fabricados na China que, numa segunda etapa, serão montados na planta industrial da Foxconn, na mesma região.


Atualmente, os produtos da Apple comercializados no Brasil chegam ao país via importação e recolhem até 50% de seu valor em impostos. Com a montagem nacional, a companhia vai beneficiar-se de vantagens fiscais e será de capaz de reduzir seus preços ou ampliar sua margem de lucro.

No caso específico da produção do iPad, a Apple e outros fabricantes de tablets aguardam uma definição do Governo Federal que pode classificar esse tipo de produto como “computador pessoal”. Se isso se confirmar, o iPad deixará de recolher alíquota de PIS (1,65%) e Cofins (7,6%).

Foxconn

Em abril, o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, afirmou que a Apple e a Foxconn vão produzir o tablet da Apple no Brasil até o fim de novembro deste ano. Segundo ele, a fabricante taiwanesa pretende investir US$ 12 bilhões (cerca de R$ 19 bilhões) no país, nos próximos cinco anos. Os planos incluiriam a construção de uma “cidade inteligente” que daria emprego a 100 mil pessoas.

O projeto apresentado por Mercadante cita que 20 mil desses postos de trabalho a serem gerados em função do investimento da companhia no país serão destinados a engenheiros e 15 mil a técnicos especializados.

A instalação da nova operação da Foxconn em Jundiaí teria duas fases. A primeira, que começará neste ano e irá até 2013, envolveria a produção de componentes para telefones celulares, notebooks, tablets e monitores de escritório; e, posteriormente, entre 2014 e 2016, envolveria a produção de aparelhos de TV de alta definição. Além de Jundiaí, a Foxconn possui unidades fabris em Indaiatuba, Manaus e Sorocaba.