O South by Southwest de olho nas eleições de 2020

Feira de tecnologia que começou como festival de música em 1987 traz novidades da cultura pop, do empreendedorismo e da política

Conhecida por discussões de tecnologia, música e cinema, a feira SXSW South by Southwest deste ano pode tornar-se um pontapé inicial à pré-campanha das eleições americanas do ano que vem.

O evento, que começou como festival de música em 1987 (e hoje é uma mistura de Campus Party, CASE e Lollapalooza), inicia nesta sexta-feira sua edição de 2019. No cardápio, para além das novidades da cultura pop e do empreendedorismo, serão “sabatinadas” novas estrelas democratas e republicanas, como a deputada democrata Alexandria Ocasio-Cortez e a senadora Elizabeth Warren.

Cortez, de 29 anos, ganhou os holofotes nos últimos meses ao propor uma maior taxação a grandes fortunas nos Estados Unidos. Já Warren foi uma das apoiadoras do senador Bernie Sanders (que, inclusive, palestrou no SXSW no ano passado), em ala mais à esquerda do Partido Democrata. Agora, a senadora deve lançar pré-candidatura própria e concorrer contra Sanders, apostando em discurso mais amigável aos negócios que o ex-aliado.

Pelo lado republicano, comparecem o novo líder do partido na Câmara, Kevin McCarthy, que deve falar sobre as dificuldades de ser agora minoria no Congresso (e de substituir o ex-líder Paul Ryan), além do ex-governador de Ohio, John Kasich. Embora o atual presidente republicano, Donald Trump, deva concorrer à reeleição, Kasich, que já tentou ser o candidato republicano por duas vezes, afirmou que não descarta participar das primárias novamente.

A política aparece mesmo quando o assunto se volta à tecnologia: nas tradicionais discussões sobre novas ferramentas e inteligência artificial, as recentes regulações da União Europeia serão tema recorrente. Um destaque é a presença de autoridades da própria UE e da Casa Branca na mesa “Os algoritmos vão à faculdade de Direito”. O Facebook também envia representante a uma mesa sobre ataques nas eleições – mas sem a presença de Mark Zuckerberg, que já participou do evento em 2008.

Dentre os nomes para se prestar atenção até o fim do evento, no dia 17, estão os fundadores do Instagram, Mike Krieger e Kevin Systrom, que aparecem em um palco pela primeira vez desde a venda do app para o Facebook, em 2012. Representantes do Spotify também falam em diversas mesas sobre as disrupções no mundo da música.

No Dia Internacional da Mulher, a feira traz ainda nesta sexta-feira a mesa “Retratos e histórias na era do #MeToo”, e o tema gênero volta a aparecer em pelo menos outras dez palestras.

Passando dos 30 anos de idade e ainda hoje uma das mecas do mundo da tecnologia, o SXSW teve alguns momentos históricos para o mundo dos negócios: um dos mais famosos é o Twitter, lançado em 2006, mas que ficou verdadeiramente conhecido ao participar do evento em 2007. Mas com o mundo da tecnologia sob alvo dos governos e as eleições americanas batendo na porta, a interação com a política deve vir forte neste ano.