O futuro dos automóveis em quatro novos modelos de luxo

Como as grandes montadoras estão se preparando para a nova realidade do setor automotivo

Tesla Model 3
■ Motor Elétrico, 350 km de autonomia
■ Potência Equivalente a 258 cv
■ 0 a 100 km/h 5s6
■ Máxima 210 km/h
■ Preço Ainda não disponível para o Brasil

Tesla Model 3
■ Motor Elétrico, 350 km de autonomia
■ Potência Equivalente a 258 cv
■ 0 a 100 km/h 5s6
■ Máxima 210 km/h
■ Preço Ainda não disponível para o Brasil (/)

Você pode até não estar se dando conta, mas os automóveis estão vivendo sua maior revolução desde que, em 1912, o primeiro carro equipado com partida elétrica, um Cadillac Touring, saiu às ruas.

De lá para cá, as formas dos veículos foram esculpidas ao gosto dos projetistas, mais equipamentos foram colocados a bordo, os motores ganharam mais cavalos. Porém, na essência, pouco mudou. Até agora.

“Nos próximos dez anos os carros passarão por mais transformações do que no último século”, disse à VIP o alemão Dieter Zetsche, presidente mundial da Daimler.

Para começar, regras cada vez mais rígidas irão limitar a fumaça dos escapamentos nos Estados Unidos, Europa, China e Japão.

Entre 2017 e 2020 praticamente todas as grandes montadoras lançarão um modelo elétrico, com autonomia de 300 quilômetros ou mais.

Como aconteceu há poucos anos no segmento de smartphones, a competição entre os fabricantes de baterias para o setor automotivo aumentou um bocado.

O resultado? Segundo o Departamento de Energia dos Estados Unidos, nos últimos dez anos a capacidade de carga das baterias de íon de lítio aumentou 65%, enquanto o custo para produzi-las despencou na mesma medida.

Nas contas da americana GM, os preços devem recuar pela metade nos próximos seis anos. E isso deverá atrair mais compradores.

Em 2040, o centro de pesquisa Bloomberg Intelligence estima que 35% dos novos carros serão movido a baterias.

O mesmo movimento de baixa nos preços já está acontecendo com componentes eletrônicos, como sensores e câmeras, fundamentais para fabricar carros autônomos.

O BMW Série 5, que já começou a ser vendido no Brasil, tem quatro câmeras e 26 sensores. Foi concebido para seguir o seu caminho sozinho, mantendo uma distância segura dos veículos à sua frente.

Mercedes-Benz Série E
O sistema Drive Pilot coloca o carro a uma distância segura do tráfego à frente e pode mudar de faixa sozinho
■ Motor: 4 cilindros, turbo
■ Potência: 211 cv
■ 0 a 100 km/h: 6s9
■ Máxima: 250 km/h
■ Preço: a partir de R$ 310 mil

Mercedes-Benz Série E
O sistema Drive Pilot coloca o carro a uma distância segura do tráfego à frente e pode mudar de faixa sozinho
■ Motor: 4 cilindros, turbo
■ Potência: 211 cv
■ 0 a 100 km/h: 6s9
■ Máxima: 250 km/h
■ Preço: a partir de R$ 310 mil (/)

E se um carro adiante parar, de repente, na frente dele? Nenhum problema, já que os anjos da guarda eletrônicos que o equipam são capazes de analisar a situação antes de o motorista pensar no que fazer.

Podem frear – e até desviar o carro, se houver espaço livre adiante – e dar segurança para a manobra. Tudo isso já está mexendo com o desenho dos automóveis.

No ano passado, o Japão se tornou o primeiro país a permitir que veículos usem câmeras em vez de espelhos retrovisores.

As imagens são reproduzidas em uma tela, com a vantagem de eliminar ângulos mortos, ter melhor visibilidade à noite e ainda por cima ajudar a economizar 5% de energia.

Audi A8 L e-tron
Equipado com assistente AI, que pode acelerar, frear e mudar a trajetória do carro
■ Motor Gasolina 6 cilindros, turbo
■ Potência 449 cv
■ 0 a 100 km/h 4s9
■ Máxima 250 km/h
■ Preço Ainda não divulgado

Audi A8 L e-tron
Equipado com assistente AI, que pode acelerar, frear e mudar a trajetória do carro
■ Motor Gasolina 6 cilindros, turbo
■ Potência 449 cv
■ 0 a 100 km/h 4s9
■ Máxima 250 km/h
■ Preço Ainda não divulgado (/)

O MirrorLink, sistema que integra o conteúdo dos smartphones com os carros, já equipa 1,1 milhão de automóveis. Esse mercado esquentou com a entrada de concorrentes como o Carplay, da Apple, e o Open Automotive Alliance, para Android.

Segundo as previsões da consultoria IHS Markit, daqui a seis anos haverá 72,5 milhões de automóveis com acesso à internet – o triplo do que havia em 2015.

O principal marco na fronteira rumo aos carros autônomos e movidos a bateria foi a entrada em cena da Tesla, criada pelo sul-africano Elon Musk, na Califórnia, em 2003.

Interior do A8

Interior do A8 (Audi/Divulgação)

O Roadster, primeiro modelo da marca, tinha autonomia para 320 quilômetros, sem uma gota de gasolina, custava 120 mil dólares a preços de hoje e virou carro para poucos, como George Clooney e Leonardo DiCaprio.

De lá para cá, a Tesla lançou três modelos, entre eles o compacto Model 3, que custa cerca 25 mil dólares na Califórnia, graças a incentivos.

E está revolucionando a mobilidade elétrica com baterias com autonomia de 350 quilômetros e a instalação de uma rede de recarregadores.

No final de 2014, começou a equipar 70 mil de seus sedãs S com o Autopilot, um sistema de direção autônoma capaz de fazer o veículo frear, acelerar e, meses mais tarde, mudar de faixa sozinho.

Lançou uma tendência que, nos próximos dez anos, levará a carros sem direção, pedais e que guiarão (e estacionarão) sozinhos.

BMW Série 5
Quatro câmeras e 26 sensores detectam carros e obstáculos à frente e podem mudar a direção do sedã
■ Motor: 6 cilindros, turbo
■ Potência: 340 cv
■ 0 a 100 km/h: 5s1
■ Máxima: 250 km/h
■ Preço: a partir de R$ 315 mil

BMW Série 5
Quatro câmeras e 26 sensores detectam carros e obstáculos à frente e podem mudar a direção do sedã
■ Motor: 6 cilindros, turbo
■ Potência: 340 cv
■ 0 a 100 km/h: 5s1
■ Máxima: 250 km/h
■ Preço: a partir de R$ 315 mil (/)

Carros autônomos terão outros efeitos benéficos. Com veículos capazes de trocar informações entre si e a infraestrutura das cidades, semáforos também devem deixar de fazer parte da paisagem. Não deixarão saudades.

“Pessoas idosas ou com deficiências físicas, que não podem ter carteiras de habilitação, voltarão a ganhar mobilidade individual, com segurança”, disse à VIP o franco-brasileiro Carlos Ghosn, CEO da Renault.

A população com mais de 65 anos deverá chegar a 1,3 bilhão de pessoas, o dobro em relação a hoje.

BMW Serie 5

BMW Serie 5 (/)

Em carros sem volante ou pedais, o tempo que os motoristas perdem em engarrafamentos poderá ser melhor aproveitado. Nos Estados Unidos e na Europa, um condutor gasta cerca de quatro horas por semana em traslados.

Carros autônomos, portanto, nos ajudarão a aproveitar muito melhor o tempo. Quem viver verá.