NETmundial já tem presença confirmada de 85 países

Delegações de pelo menos 85 países participarão da conferência internacional NETmundial, prevista para 23 e 24 de abril em São Paulo

São Paulo – Delegações de pelo menos 85 países, tanto dos governos como do setor civil, participarão da conferência internacional NETmundial, prevista para 23 e 24 de abril na cidade de São Paulo e na qual será discutida uma nova governança para a internet, disseram nesta terça-feira os organizadores.

A conferência, para a qual já confirmaram presença 22 ministros, tem como fim a aprovação de uma “carta de intenções” que inclua assuntos como a privacidade e a liberdade de expressão na internet, disse em entrevista coletiva o presidente do NETmundial, o brasileiro Virgilio Almeida.

Entre as delegações com participação ministerial já confirmadas destacam-se as de países como os Estados Unidos, França, Gana, África do Sul, Argentina e China, assim como as de órgãos supranacionais como a União Europeia.

A conferência será aberta pela presidente Dilma Rousseff, que convocou a reunião, e contará com a participação de Luiz Inácio Lula da Silva.

“O objetivo é começar a discutir os mecanismos de governança na internet”, disse Almeida, que explicou que os assuntos a tratar durante o evento procedem das propostas feitas por dezenas de governos e de cidadãos através do site do mesmo.

Na abertura, Dilma exporá a visão do país sul-americano como já fez perante a Assembleia Geral das Nações Unidas quando criticou os Estados Unidos pela espionagem em massa aos governos e cidadãos através de internet, segundo Almeida.

Na sua opinião, este encontro “único”, que não pretende ter reedições, discutirá “debaixo para cima” as “preocupações não só técnicas mas também políticas e sociais” surgidas por causa de, entre outras coisas, as revelações da espionagem eletrônica.


Entre outros assuntos serão discutidos os princípios que devem reger a governança na rede e as remodelações necessárias no “ecossistema” de internet para que seja facilitado dito governo, acrescentou Almeida.

Os temas mais citados nas propostas recebidas foram segurança, privacidade, liberdade de expressão, globalização de domínios, papel dos governos na internet, acesso universal, neutralidade e desenvolvimento de um fórum mundial de governança, especificou.

No evento “não governamental”, mas no qual discursarão membros de executivos dos cinco continentes, participarão mais de 600 pessoas de pelo menos 85 países procedentes da sociedade civil, do setor privado e do setor técnico.

O NETmundial será retransmitido em sete línguas e será eixo de eventos paralelos em 33 cidades de todo o mundo, a maior parte no hemisfério sul.

“Existe um grande desejo de participação dos países em desenvolvimento sobre as questões de governança na internet”, assegurou Almeida, que negou a criação de possíveis “blocos de países” nas discussões.

Apesar do interesse nos casos de espionagem por parte do governo dos Estados Unidos, a conferência não terá uma seção específica para o assunto, que será abordado no bloco sobre o direito à privacidade na internet.

Entre os representantes do setor privado destacam-se multinacionais como Microsoft, Google e Facebook, que participaram dos debates prévios e acrescentaram assuntos que podem ser consultados no site do NETmundial.

Paralelo ao evento será realizada o Arena Mundial, um fórum para que os cidadãos sem acesso ao encontro oficial também possam discutir sobre governança na internet.

Neste fórum participarão personalidades como Lula, o ex-ministro brasileiro de cultura e cantor Gilberto Gil e o sociólogo espanhol Manuel Castells, informou Almeida.