Não temos o iPhone que as pessoas querem, reconhece Apple

Uma apresentação interna da Apple revela que, um ano atrás, ela já considerava vital desenvolver um iPhone com tela de mais de 4 polegadas

São Paulo — Documentos da Apple que eram sigilosos têm se tornado públicos graças à disputa entre ela e a Samsung na justiça americana. Um deles é uma apresentação que mostra que, um ano atrás, a Apple já considerava vital desenvolver um iPhone com tela maior.

A apresentação, descoberta pelo noticiário re/code (veja no final do texto), mostra que as vendas do iPhone crescem cada vez menos, algo que certamente fez acender um sinal amarelo para Tim Cook e sua turma.  

Em 2012, o crescimento anual foi de 74%. No terceiro trimestre fiscal de 2013, já tinha caído para apenas 8%, comparando-se esse trimestre com o mesmo período do ano anterior.

O diagnóstico da Apple é claro sobre as razões para essa desaceleração nas vendas do iPhone: “Os consumidores querem algo que não temos”, diz um dos slides. A apresentação cita números que comprovam isso. 

Em 2012, foram vendidos 722 milhões de smartphones no mundo, 228 milhões a mais que em 2011. É um crescimento excepcional, mas a Apple ficou fora dessa festa.

Desses 228 milhões, 91 milhões são aparelhos com tela de mais de 4 polegadas e preço superior a 300 dólares. Como se sabe, os vários modelos do iPhone têm telas de 3,5 ou 4 polegadas. 

Os outros 159 milhões de smartphones que foram vendidos a mais em 2012 são modelos que custam menos de 300 dólares (sem subsídio de operadora), outra faixa do mercado da qual a Apple está ausente.


O slide ainda exibe outro dado preocupante para a turma de Cupertino. No caso dos aparelhos que custam mais de 300 dólares e têm tela de até 4 polegadas – como o iPhone – houve queda de vendas de 22 milhões de unidades de 2011 para 2012.

É pouco provável que a Apple resolva entrar no segmento de smartphones baratos. É algo que não combina com o modelo de negócios da empresa. Já o lançamento de um iPhone com tela de mais de 4 polegadas (que vem sendo chamado de iPhone 6 ou iPhone Air) é praticamente certo.

Sem ele, as vendas do iPhone tenderiam a se estagnar. Na apresentação, a Apple admite que os concorrentes melhoraram drasticamente seus aparelhos e, em alguns casos, também o ecossistema em torno deles. 

Além disso, na visão de Tim Cook e companhia, esses concorrentes (ou seja, a Samsung) gastam quantias “obscenas” em publicidade. Confira, a seguir, os quatro slides da apresentação que se tornaram públicos:

//www.scribd.com/embeds/216526160/content?start_page=1&view_mode=scroll&show_recommendations=true