Mozilla coloca mais um prego no caixão do Adobe Flash

Popular na web na primeira década dos anos 2000, plugin deverá sumir até o final de 2020

São Paulo — A Mozilla confirmou, nesta semana, o fim do suporte ao Flash em seu navegador, o Firefox. A informação foi encontrada em um relatório de bugs do programa. O processo de encerramento começará na versão 69 do browser, prevista para o começo de setembro deste ano. Ela será a primeira a trazer o plugin desativado por padrão, mas ainda será possível ativá-lo manualmente. O suporte será cortado de vez no ano que vem.

Muito usado para desenvolvimento e reprodução de sites e aplicações na web até alguns anos atrás, o Flash está oficialmente com os dias contados desde 2017. Foi há dois anos que a Adobe, empresa por trás do plugin, confirmou que ela mesma deixaria de trabalhar na extensão e não ofereceria mais suporte ao final de 2020. Mas o anúncio foi mais uma formalização: anos antes disso, outras empresas já haviam confirmado que deixariam de usar a ferramenta.

 

A Apple, por exemplo, iniciou uma cruzada contra o plugin em seu navegador, o Safari, no fim de 2016, quando decidiu desativá-lo por padrão na versão 10 do programa. O Google fez um movimento menos drástico em 2015 ao decidir parar de reproduzir conteúdo em Flash de forma automática no Chrome. No ano passado, no entanto, a empresa deu o passo seguinte e também passou a desativá-lo por padrão.

Mozilla e Microsoft, por sua vez, passaram a seguir esse mesmo caminho em 2017 no Firefox, no Edge e no Internet Explorer. Das duas, a primeira já mostrou que pretende andar mais uma casa até setembro deste ano, enquanto a segunda sinalizou que não deve ficar muito atrás.

Os cronogramas das empresas indicam que todas elas deverão bloquear de vez o plugin em seus respectivos navegadores antes do final de 2020. Entre as poucas exceções, está o Firefox ESR, versão corporativa do browser, que estenderá o suporte até o fim do ano que vem.

O Flash desempenhou um papel importante na história da web, como ressaltou a Microsoft no texto de “despedida” que fez ao plugin. Hoje, porém, suas muitas falhas de segurança e a existência de formatos abertos, como o HTML5, que cumprem o mesmo papel com mais qualidade, o tornaram praticamente obsoleto.