Microsoft cobra até US$ 200 por informação que passa ao FBI

Suposta comunicação entre Microsoft e FBI conseguida pelo grupos de hackers Exército Eletrônico Síria mostra que empresa cobra até US$ 200 por informação enviada

São Paulo – A Microsoft cobra até 200 dólares por cada informação sobre usuários enviada ao FBI. Empresas de tecnologia costumam cobrar taxas pelo trabalho de ter que passar informações de usuários para autoridades americanas.

Nunca se soube, no entanto, qual era o valor que as empresas pediam. De acordo com documentos que o grupo de hackers Exército Eletrônico Sírio alega ter conseguido, e que o site Daily Dot publicou, o valor varia entre 100 e 200 dólares por usuário.

Os documentos, que foram analisados por especialistas, são supostas comunicações entre a empresa e o FBI, além de documentos de cobrança.

Um deles, datado de dezembro de 2012, mostra uma cobrança de 145 mil dólares. Na ocasião, a Microsoft cobrava 100 dólares por informação enviada. Já em agosto de 2013, o valor estava mais alto: 200 dólares por informação. A conta final ultrapassava 352 mil dólares. O documento mais recente é de uma cobrança de novembro do ano passado, no valor de 281 mil dólares.

De acordo com o Daily Dot, todas as fontes consultadas (entre elas juristas e especialistas em tecnologia) não acreditam que seja um erro da Microsoft cobrar pelas informações. A empresa é obrigada a enviar as informações e é autorizada, judicialmente, a cobrar quantias razoáveis pelo trabalho.

O fato mais interessante dos números é ver qual é a frequência com a qual o FBI pede informações à empresa. Tomando como exemplo o mês de novembro, foram mais de 1,400 pedidos de informações.

O FBI e a Microsoft não se expressaram sobre o assunto ainda. É impossível saber se os documentos são realmente verdadeiros ou não.