Medo de ser enganado nas compras online é cada vez menor

Numa escala de zero a dez, o índice médio de satisfação do consumidor brasileiro com as compras feitas pela internet é de 9,3

Brasília – Pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) que será divulgada nesta terça-feira, 3, mostra que o consumidor brasileiro superou a barreira da desconfiança e da insegurança na hora de fazer compras online.

Numa escala de zero a dez, o índice médio de satisfação do consumidor brasileiro com as compras feitas pela internet é de 9,3.

O levantamento mostra que o medo de ser enganado é cada vez menor: apenas 8% dos entrevistados afirmam não comprar pela internet por terem receio de não receber o que foi adquirido.

O estudo revela que dois em cada dez consumidores virtuais (19%) realizaram sua primeira compra pela internet entre 2013 e 2014.

A parcela aumenta entre as mulheres (23%), consumidores das classes C, D e E (26%) e entre as pessoas sem ensino superior (36%). Os mais assíduos são os mais escolarizados, que possuem idade entre 35 e 49 anos e pertencem à Classe A/B.

Para 74% dos consumidores, a maior comodidade é justamente o fato de comprar sem sair de casa.

Já para metade (50%) deles, a maior vantagem de comprar pela internet é o preço baixo, além de proporcionar economia de tempo (33%) e facilidade para comparar produtos de marcas concorrentes (27%).

Quando perguntados sobre quais foram os itens mais comprados em 2014, os entrevistados citam os eletrônicos (61%), os livros (47%), os calçados (44%), as roupas (42%) e os eletrodomésticos (36%).

A pesquisa também detectou os produtos que ainda enfrentam certa resistência do consumidor virtual.

Dentre os itens que os internautas jamais comprariam pela internet estão os seguros (25%), os artigos para animais de estimação (19%), os calçados (17%), as roupas (16%) e comida entregue em casa (15%).

A pesquisa ouviu 678 pessoas de todas as 27 capitais brasileiras entre os dias 5 e 8 de janeiro, que fizeram compras virtuais em 2014.

A margem de erro do estudo é de 3,7 pontos porcentuais para um intervalo de confiança a 95%.