Marinha lança operação para se preparar para Copa do Mundo

Marinha do Brasil iniciou nesta segunda-feira a operação Amazônia Azul, uma inédita e gigantesca mobilização que prevê o uso de 30 mil militares e 60 navios

A Marinha do Brasil iniciou nesta segunda-feira a operação Amazônia Azul, uma inédita e gigantesca mobilização que prevê o uso de 30 mil militares e 60 navios para preparar o plano de segurança que será implementado durante a Copa do Mundo.

A operação, coordenada pelo Comando de Operações Navais, prevê o maior emprego simultâneo de meios e de tropas já utilizado pela Marinha para a proteção das Águas Jurisdicionais Brasileiras.

Os navios e embarcações da Marinha cumprirão tarefas de vigilância e inspeção nos rios e lagos brasileiros, assim como em toda a Amazônia Azul, como os militares se referem aos 5,5 milhões de quilômetros quadrados do território marítimo do país.

Também estão previstas operações especiais destinadas a garantir a segurança dos portos, das plataformas petrolíferas e dos terminais portuários de interesse do país.

Os objetivos principais da operação são intensificar a fiscalização, reprimir irregularidades em Águas Jurisdicionais Brasileiras e servir de preparação para a atuação da Força Naval na Copa do Mundo, segundo comunicado da Marinha.

A Amazônia Azul contará também com o apoio de embarcações das capitanias dos portos em todo o litoral brasileiro e nos rios, assim como de quinze aeronaves.

As atividades de vigilância e fiscalização serão apoiadas por outras instituições, como a Força Aérea Brasileira, a Polícia Federal, A Receita Federal, o Instituto do Meio Ambiente e a Petrobras.

Segundo a Marinha, a área e o potencial estratégico das águas jurisdicionais brasileiras se assemelham as da Amazônia.

“Pela Amazônia Azul circula 95% de nosso comércio exterior e dela extraímos cerca de 90% de nosso petróleo. Da mesma forma, a pesca e a presença de nódulos polimetálicos (jazidas minerais) constituem outros enormes riquezas da Amazônia Azul”, segundo o comunicado.