Machine learning: como a empatia pode mudar o resultado dos chatbots

Uma das vantagens de optar por um chatbot com machine learning é que ele aproxima os clientes da empresa, melhorando o atendimento

São Paulo — A empatia é um termo muito utilizado nas relações interpessoais, mas também pode fazer muito sentido no ambiente tecnológico. O avanço da comunicação pela internet tem mostrado a cada dia que as empresas, para se sustentarem no mercado, precisam estar próximas do cliente.

Uma das maneiras de realizar isso é por meio dos chats de relacionamento, hoje em dia automatizados pelos chatbots. Os assistentes virtuais são capazes de desempenhar o contato rápido e prático por meio da Inteligência Artificial e também têm a capacidade de desenvolver empatia, se aproximando ainda mais do cliente. O termo utilizado para essa tecnologia é o machine learning, em que a máquina aprende de acordo com os atendimentos realizados, personalizando o diálogo.

Pensar em empatia, nada mais é do que se colocar no lugar do outro e se solidarizar com ele de alguma maneira. E como um robô é capaz de desenvolver isso? A tecnologia empregada nos chatbots atualmente nada mais é do que uma vasta análise de dados para que ele seja capaz de responder a uma série de perguntas de forma instantânea O diferencial do machine learning é fazer com que a máquina consiga compreender novos vocabulários, antes não listados, mas que foram conhecidos pela interação com o usuário.

Uma das vantagens de optar por um chatbot com machine learning é que ele aproxima os clientes da empresa, melhorando o atendimento. Favorecer um bom relacionamento também está na lista de prioridades, transmitindo confiabilidade e segurança para quem já consome ou faz parte do público potencial. Sanar as dúvidas de maneira automatizada nada mais é do que buscar a plena satisfação e realização do cliente, independentemente do nível que ele ocupa na empresa. Ou seja, se é o primeiro contato ou se é um consumidor recorrente.

A InBot , especialista na criação de assistentes virtuais, explica que o investimento em chatbots com machine learning demonstra uma preocupação da empresa com um atendimento qualificado ao cliente. “É por meio dessa tecnologia que a relação virtual se torna mais próxima e eficaz. Nosso objetivo é facilitar essa interação, trazendo também economia de tempo e dinheiro para a empresa”, afirma. Além disso, essa não deixa de ser uma possibilidade de se aproximar do modelo de negócio do futuro, em que as ferramentas digitais serão capazes de solucionar os principais gargalos operacionais das empresas

Mesmo antes de se ter essa preocupação em tornar a experiência do cliente mais completa, os chatbots já eram interessantes instrumentos para otimizar o atendimento. Com o passar do tempo, novas possibilidades tecnológicas surgiram, como o machine learning, e aperfeiçoaram ainda mais o tipo de atendimento, o tornando mais personalizado e independente da intervenção humana. Hoje, isso já é uma realidade no mercado e disponível para que as empresas possam usufruir. Muitos dos clientes já compreendem que o diálogo por meio de chat é realizado com um robô e aceitam essa relação, justamente por ser mais ágil. “Entender essas mudanças do mercado e se enquadrar nelas é ter a ambição de crescimento e aperfeiçoamento dos serviços, tão importante nos dias de hoje”, finaliza a InBot