LinkedIn atinge marca de 300 milhões de usuários

Crescimento é de 100 milhões em relação a janeiro do ano passado; Brasil é hoje terceiro país com mais usuários, atrás de Facebook e Índia

O LinkedIn divulgou nesta sexta-feira que conseguiu bater a marca de 300 milhões de usuários registrados, ante 200 milhões de janeiro do ano passado. O anúncio veio acompanhado da notícia de que o Brasil é, atualmente, a terceira maior fonte de membros  da rede social, atrás apenas de Estados Unidos e Índia.

A marca alcançada pelo site já representa quase 10% da ambiciosa – e até utópica – meta da empresa, que é atingir toda a população de trabalhadores no mundo, um número que gira em torno dos 3,3 bilhões. Ainda falta muito, mas o crescimento de quase 6,6 milhões de novos usuários por mês desde o começo de 2013 já é bem significativo, e foi impulsionado especialmente pelos investimentos da companhia em mobile.

Como apontou Deep Nishar, vice-presidente sênior de produtos do LinkedIn, no comunicado, de dois anos para cá, a rede social desenvolveu diferentes aplicativos, voltado para “as diferentes necessidades de nossos membros diversos”. São eles o do próprio serviço, o Pulse, o Contacts, um para recrutadores e o do SlideShare, plataforma comprada pela empresa em 2012.

Parcerias também foram fechadas com Apple, Nokia, Samsung e outros nomes do mercado, e embora mais delas estejam prometidas para o decorrer do ano, o resultado já é visível: além do crescimento no número de usuários, o tráfego vindo de dispositivos móveis já representa 41% do total, segundo o TheNextWeb. E mais: a companhia espera que esse número chegue a 50% até o final de 2014.

É bom atentar, no entanto, que o número divulgado pelo LinkedIn é diferente do apresentado pelo Twitter e pelo Facebook. Enquanto as duas redes falam sempre em usuários ativos mensais, o serviço voltado a profissionais menciona apenas o valor total, como bem reparou o Mashable, e não quis divulgar a outra marca ao NextWeb. Entretanto, pelos visitantes únicos mensais, já dá para ter uma ideia: no último trimestre de 2013, foram 139 milhões no LinkedIn.com e 48 milhões no SlideShare por mês – 187 milhões, somados.

Usuários – Segundo um infográfico divulgado junto com o comunicado, a rede profissional ainda hoje é dominado por homens – 56% de seus usuários são do sexo masculino. É uma marca bem menor do que a de cinco anos atrás, entretanto, quando as mulheres representavam 39% dos registrados.

Por países, os Estados Unidos ainda dominam o serviço: um terço das pessoas cadastradas é de lá. As outras quatro regiões que mais acessam o LinkedIn, no entanto, mudaram de cinco anos para cá. Atualmente, a Índia, antiga terceira colocada no ranking, ocupa o segundo lugar, seguido do Brasil, do Reino Unido e do Canadá.