Le Monde: WikiLeaks não publica sem acordo de jornais

O norte-americano The New York Times, o alemão Der Spiegel, o britânico The Guardian, o espanhol El País, e o francês Le Monde têm que dar aval aos documentos

Paris – O WikiLeaks não divulga na internet nenhum documento da diplomacia americana sem o aval dos cinco jornais associados (The New York Times, Der Spiegel, The Guardian, El País e Le Monde), que mobilizaram cerca de 120 jornalistas para analisá-los, explicou nesta segunda-feira o francês Le Monde.

Os cinco diários “trocaram muitas informações” e “análises”, informou à AFP Sylvie Kauffmann, diretora de redação do jornal.

“Nos pusemos de acordo sobre um programa de publicação, por e-mail, por telefone e também com algumas reuniões físicas”, acrescentou. “Também chegamos a um entendimento sobre a maneira de publicar na internet os documentos”.

“São documentos revistos por nós. A organização aceitou dobrar-se” a este método, acrescentou Sylvie Kauffmann, assegurando que o site web especializado no vazamento de informação secreta fez a divulgação de forma gratuita, novamente. “Nada pagamos e nada nos pediram”, disse.

Quanto à veracidade dos documentos, “não temos nenhuma razão particular para duvidar de sua autenticidade ou pensar que alguns possam ser falsos. O Departamento de Estado nada desmentiu, não disse que eram falsos. Além disso, também exercemos um julgamento: havia documentos questionados por nós, em relação ao conteúdo; neste caso, foram descartados”.

Segundo a diretora de redação, que preferiu não precisar por quanto tempo os jornalistas trabalhavam com a informação, “120 pessoas (das cinco redações) trabalharam durante várias semanas, de forma protegida. Mas não foi num bunker na Islândia! Cada equipe tinha um lugar reservado em sua redação”.

A divulgação começou na noite de domingo e prosseguirá “durante vários dias, de forma escalonada, devido à massa de informações”, precisou.

Entenda o processo de publicação dos documentos adquiridos pelo WikiLeaks:

(Leticia Bouyer)