Inteligência artificial cria sérios riscos se usada para o mal

Segundo pesquisadores das universidades de Cambridge, Oxford e Yale, o uso mal-intencionado da tecnologia é ameaça para segurança digital, física e política

Frankfurt – Avanços rápidos em inteligência artificial estão criando riscos de crescentes ataques digitais automáticos, o que pode fazer com que carros autônomos sofram acidentes ou drones comerciais se transformem em armas, afirma uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira.

O estudo, publicado por 25 pesquisadores das universidades de Cambridge, Oxford e Yale junto com especialistas militares e de privacidade, soa o alarme sobre potenciais usos malignos da inteligência artificial por Estados e criminosos.

Os pesquisadores afirmam que o uso mal-intencionado da inteligência artificial representa ameaça iminente para a segurança digital, física e política ao permitir ataques em larga escala, precisos e altamente eficientes. O estudo se foca em desdobramentos plausíveis num horizonte de cinco anos.

“Todos nós concordamos que há muitas aplicações positivas para a inteligência artificial”, afirmou Miles Brundage, pesquisador do Instituto para Futuro da Humanidade em Oxford. “Havia uma lacuna na literatura sobre usos maligos.”

A inteligência artificial envolve o uso de computadores para executar tarefas que normalmente exigem inteligência humana, como tomar decisões ou reconhecer texto, fala ou imagens visuais.

É considerada uma força poderosa para desbloquear de todas as formas as possibilidades técnicas, mas tornou-se um foco de debate ruidoso sobre se a automação maciça que propicia pode resultar em desemprego generalizado e outras mudanças sociais.

O estudo de 98 páginas alerta que o custo de ataques podecair com o uso da inteligência artificial para tarefas que de outra forma exigiriam trabalho e conhecimento humanos. Podem surgir novos ataques que seriam praticamente inviáveis para humanos desenvolverem sozinhos e também ataques que exploremvulnerabilidades dos próprios sistemas de inteligência artificial.

Os pesquisadores detalharam o poder da inteligência artificial em criar imagens, textos e áudios sintéticos que simulariam pessoas reais no mundo online para influenciar aopinião pública.

O relatório faz uma série de recomendações, incluindo que a inteligência artificial seja regulamentada como uma tecnologia de uso militar e comercial.

O texto também questiona se acadêmicos e outras pessoas poderiam controlar o que é divulgado sobre novas descobertas no campo da inteligência artificial até que outros especialistas tenham a chance de estudar e avaliar potenciais riscos que elas representam.

“No final, acabamos com muito mais perguntas que respostas”, disse Brundage.

A pesquisa nasceu em um workshop em 2017 e algumas de suas previsões acabaram se tornando realidade enquanto ela estava sendo escrita. Os autores especularam sobre a inteligência artificial ser capaz de criar imagens e áudio altamente fidedignos de autoridades públicas para propósitos de propaganda.

No ano passado, vídeos pornográficos realistas com rostos de celebridades inseridos em diferentes corpos começaram a surgir online.