Incidência semanal de casos de ebola aumenta pela primeira vez em 2015

Na semana passada, foram contabilizados 124 novos casos: 39 na Guiné, cinco na Libéria e 80 em Serra Leoa

A incidência semanal de casos de ebola nos três países mais afetados pela epidemia – Guiné, Libéria e Serra Leoa – aumentou pela primeira vez neste ano, segundo o último registro da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado nesta quarta-feira (4).

Na semana passada foram contabilizados 124 novos casos: 39 na Guiné, cinco na Libéria e 80 em Serra Leoa.

“O aumento na incidência mostra que a resposta ao vírus do ebola ainda enfrenta grandes desafios”, afirmou a OMS, que alerta que algumas pessoas continuam com práticas perigosas.

A organização explicou que o vírus segue se expandindo geograficamente na Guiné e que há múltiplos focos de transmissão em Serra Leoa.

Dessa forma, na Guiné foram registrados 39 casos, frente aos 30 da semana anterior.

A OMS indica que um dos focos de infecção foi um enterro não seguro do qual se derivaram até agora 11 casos confirmados, o que demonstra que as boas práticas para evitar o contágio ainda não se propagaram totalmente.

Além disso, foram detectados vários focos no norte da Guiné, motivo pelo qual se reforçou a vigilância nas fronteiras com Mali, Costa do Marfim e Senegal.

Em Serra Leoa foram contabilizados na semana passada 80 novos casos, frente aos 65 da anterior.

Neste país, nove de seus 14 distritos registraram casos, o que contrasta com os sete de 15 dias atrás.

Um dos aspectos cruciais é o controle epidemiológico e o objetivo é que se conheça a origem dos novos casos para que nenhuma cadeia de transmissão fique fora controle, o que na semana passada só se conseguiu na Libéria.

Pelo contrário, na Guiné se conheceu a origem da infecção em 54% dos casos e em Serra Leoa apenas em 21%.

Outro grande obstáculo é a rejeição, em algumas ocasiões violenta, às equipes de prevenção e tratamento. Segundo a OMS, não se produziram incidentes na Libéria, mas ocorrem três em Serra Leoa.

Além disso, em 10 das 34 prefeituras da Guiné houve pelo menos “um incidente de segurança ou outra forma de rejeição a cooperar”.

A OMS reiterou ainda que é preciso aumentar os esforços para pôr a epidemia sob controle antes que comece a estação de chuvas, quando a resposta se verá dificultada, uma vez que muitas estradas ficarão inacessíveis e vários locais estarão isolados.

Até o momento, foram registrados 22 495 casos nos três países – entre confirmados, prováveis e suspeitos – e 8 981 pessoas morreram.

Esta é a pior epidemia de ebola desde que o vírus foi descoberto em 1976 a 100 quilômetros do rio que lhe deu nome, na República Democrática do Congo (antigo Zaire).