iCloud, da Apple, usa estrutura da Microsoft e da Amazon

Análises do tráfego de dados do iCloud, da Apple, sugerem que as informações estão sendo processadas em data centers da Microsoft e da Amazon

São Paulo — Tem se acumulado indícios de que a Apple usa a estrutura da Microsoft e a da Amazon para implementar seu serviço de computação em nuvem iCloud. O novo serviço da Apple está em fase de testes, e deve ser liberado para o público no início de outubro, quando for lançado o iPhone 5. Ele inclui armazenamento de fotos, músicas, documentos e vídeos online, além de backup de dados e e-mail.

A primeira suspeita de que o iCloud roda nos data centers da Microsoft apareceu em junho. O site Infinite Apple analisou o tráfego de dados entre um iPhone rodando uma versão beta do sistema operacional iOS 5, da Apple, e o iCloud. O endereçamento de dados apontava para as instalaçãos da Microsoft. Mas esses indícios iniciais não eram 100% convincentes, e por isso, foram questionados.

O pessoal do Infinite Apple, então, realizou alguns testes junto com Rafael Rivera, especialista que mantém o blog Within Windows. Todos os testes confirmaram que o iCloud roda sobre o Windows Azure, da Microsoft. Aparentemente, a Apple implementou seus aplicativos sobre a estrutura básica de computação em nuvem formada pelo Azure.

Paul Paliath, do Infinite Apple, diz que, ao menos na fase atual do iCloud, os servidores da Apple não armazenam o conteúdo do usuário. Em vez disso, eles administram índices, repassando fotos, músicas e informações para os computadores da Microsoft. Além disso, uma parte do conteúdo vai para servidores da Amazon. Isso indica que, no momento, a Apple está usando a estrutura das duas empresas.

Data center gigante

Nenhuma das três companhias envolvidas fala sobre a possível existência de um contrato de prestação de serviço entre elas. Pode-se supor que a Microsoft e a Amazon são obrigadas, pelo contrato, a manter sua participação no iCloud em segredo, como é de praxe em muitas situações como essa. Mas não seria nada mal para elas divulgar que têm como cliente a empresa de tecnologia mais valiosa do mundo.

É bom notar, também, que a Apple está prestes a inaugurar um novo – e enorme – data center no estado americano da Carolina do Norte. Pelo que se sabe, sua capacidade é suficiente para hospedar tanto o iTunes como o iCloud, pelo menos enquanto o novo serviço não crescer demais. Assim, é possível que a empresa esteja usando a estrutura da Microsoft e a da Amazon apenas temporariamente, até que seu próprio centro de dados fique pronto. 


Por outro lado, a experiência da Apple com computação em nuvem mescla o sucesso do iTunes com os problemas enfrentados pela empresa com o MobileMe, serviço que antecedeu o iCloud. Pelo menos até agora, a empresa tem se concentrado em criar experiências atraentes para o usuário na forma de produtos inovadores. Da mesma forma que ela terceiriza a fabricação dos seus equipamentos, faria todo o sentido terceirizar o processamento dos seus serviços na nuvem.

A plataforma da Microsoft é considerada sólida no mercado. Em fevereiro, a empresa divulgou que tinha 24 data centers rodando Azure em vários países, incluindo o Brasil. É uma estrutura que a Apple levaria anos para montar. Além disso, contar com uma rede de processamento desse porte daria, à turma da maçã, a garantia de poder aumentar a capacidade facilmente se o iCloud fizer sucesso e a demanda crescer.

Microsoft e Apple têm uma relação de amigas-inimigas desde os anos 80. A Microsoft criou aplicativos de sucesso para o Mac, como a planilha Excel, que estreou no micro da Apple antes de ter uma versão para o Windows. E, em 1997, a empresa então comandada por Bill Gates deu uma mão a Steve Jobs investindo 150 milhões de dólares na Apple. Fora isso, as duas competem entre si em quase todas as áreas em que a Apple atua.

Microsoft x Amazon

Talvez não seja conveniente, para a Apple, ficar totalmente dependente da Microsoft. Tendo a Amazon como segundo fornecedor, a Apple ganha poder para negociar contratos melhores com ambos. Nesta semana, o noticiário britânico The Register voltou a esse assunto, dizendo que fontes ligadas à Microsoft confirmam que a empresa está hospedando o iCloud.

Gavin Clarke, do Register, observa que, talvez, o grande desafio técnico, para a Apple, seja oferecer o mesmo serviço por meio de duas redes de data centers tão diferentes entre si. Os usuários vão saber se ela está sendo bem sucedida ou não quando o tráfego no iCloud começar a crescer de verdade. Se o serviço continuar funcionando com a agilidade esperada, o sucesso desse esquema estará comprovado.