Google denuncia homem que enviou fotos suspeitas via Gmail

John Henry Skillern foi preso sob acusação de pedofilia depois de o Google denunciá-lo pelo envio, via Gmail, de fotos supostamente pornográficas de crianças

São Paulo — John Henry Skillern enviou pelo Gmail, a um amigo, três fotos supostamente pornográficas de crianças e se deu mal. O Google o denunciou a uma organização do governo americano que cuida da proteção às crianças. 

Skillern, que já tinha antecedentes de pedofilia, acabou preso pela polícia de Houston. O caso chamou atenção por ter mostrado que o Google vem vigiando silenciosamente o que as pessoas enviam pelo Gmail.

O Google tem um algoritmo que analisa as fotos, comparando-as com imagens relacionadas com abuso de menores e outros crimes. Quando coincidências são detectadas, a empresa alerta as autoridades.

Ainda que muitos possam ver, nisso, uma invasão de privacidade, os termos de serviço do Google permitem esse tipo de bisbilhotagem. Desde 14 de abril, uma atualização nesses termos autoriza a empresa a analisar o conteúdo enviado, recebido e armazenado pelos usuários.

“Nossos sistemas automatizados analisam seu conteúdo (incluindo e-mails) para oferecer uma oferta de produtos pessoalmente relevante, assim como resultados de busca customizados, propaganda sob medida e detecção de spams e malware”, afirma o texto do Google.

A polícia do Texas, que prendeu Sillern, aprovou: “Eu realmente não sei como eles fazem o trabalho deles, mas estou feliz por terem feito”, disse, sobre o Google, em entrevista ao canal de TV americano KHOU, o detetive David Netlles, responsável pelo caso.