Facebook adia alto-falante inteligente devido à crise

Rival do Google Home, do Apple Homepod e do Amazon Echo vai demorar para chegar, especialmente por causa da polêmica entre Facebook e Cambridge Analytica

O Facebook decidiu que não apresentará novos produtos domésticos em sua principal conferência de desenvolvedores, em maio, em parte devido à indignação pública em relação às práticas de privacidade de informações da rede social, segundo pessoas a par do assunto.

Os novos produtos de hardware da empresa, alto-falantes conectados à internet com recursos de assistente digital e bate-papo por vídeo, estão passando por uma revisão mais profunda para garantir a gestão adequada das informações dos usuários, disseram as pessoas. A previsão era de que o hardware estivesse disponível apenas no outono (Hemisfério Norte), mas a empresa tinha esperanças de apresentar os dispositivos na maior reunião anual de desenvolvedores do Facebook, disseram as pessoas, que pediram anonimato por discutirem planos internos.

Os dispositivos fazem parte do plano do Facebook de se envolver mais intimamente com a vida social cotidiana dos usuários usando inteligência artificial — seguindo um caminho aberto pela Amazon.com e seus alto-falantes domésticos inteligentes Eco. Devido à preocupação maior em relação à coleta e ao uso de dados pessoais pelo Facebook, este pode ser um mau momento para pedir que os consumidores confiem mais informações à empresa e coloquem aparelhos conectados à internet em suas casas. Uma porta-voz do Facebook preferiu não comentar.

O Facebook enfrenta um julgamento público neste mês devido ao tratamento de dados dos usuários, desencadeado pela informação de que a empresa de propaganda política Cambridge Analytica obteve dados sobre 50 milhões de usuários sem a permissão deles. As notícias mergulharam o Facebook em uma crise e o CEO Mark Zuckerberg irá prestar depoimento no Congresso sobre o tema privacidade nas próximas semanas.

A empresa de redes sociais já havia descoberto em testes com grupos específicos que os usuários mostravam preocupação por ter um aparelho com a marca Facebook na sala de suas casas, considerando a quantidade de informações íntimas que a rede social coleta. O Facebook ainda planeja lançar os aparelhos neste ano.

Na conferência de desenvolvedores, programada para 1º de maio, a empresa também precisará explicar as novas e mais restritivas regras a respeito dos tipos de informação que os produtores de aplicativos podem coletar sobre seus usuários por meio do serviço do Facebook. A empresa com sede em Menlo Park, Califórnia, disse em postagem de blog, nesta semana, que para os desenvolvedores as mudanças “não são fáceis”, mas que são importantes para “mitigar uma quebra de confiança do ecossistema de desenvolvedores como um todo”.