Exoesqueletos que serão usados na abertura da Copa chegam ao Brasil

Equipamento será usado por portadores de paraplegia ou tetraplegia para dar o pontapé inicial da Copa

Os dois exoesqueletos que serão usados para dar o pontapé de honra da Copa do Mundo foram desembarcados na última quarta-feira (5) no aeroporto internacional de São Paulo, que receberá a partida de abertura da Copa entre Brasil e Croácia.

O neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis divulgou a informação em seu Facebook. Ele lidera o projeto de pesquisa que desenvolve o exoesqueleto e que permitirá a um paraplégico dar o pontapé inicial na Copa deste ano. 

Os equipamentos, que usam tecnologia de ponta na recuperação de lesões medulares, são formados por estruturas robóticas para portadores de paraplegia ou tetraplegia e permite voltar a andar controlando o exoesqueleto somente com a atividade cerebral.

As mensagens transmitidas pelo cérebro para o resto do corpo, como caminhar, balançar ou parar, são captadas pela estrutura para que os movimentos aconteçam, explicou Nicolelis.

Como parte do projeto de pesquisa, denominado “Andar de Novo”, oito pacientes paralíticos foram selecionados pela Associação de Assistência à Criança Deficiente para testar estas novas estruturas.

Os primeiros testes foram realizadas em experimentos de realidade virtual com uma estrutura robótica estática que permite que os pacientes caminhem sem abandonar a posição inicial em que estão.

Um desses pacientes da experiência será eleito para, com a ajuda de um exoesqueleto, dar o pontapé e abrir o Mundial no estádio Arena Corinthians de São Paulo, no dia 12 de junho. 

Nicolelis é um dos neurocientistas de ponta na pesquisa para a recuperação de paralíticos e conseguiu em novembro que um macaco com lesões medulares movimentasse um braço virtual.