Empresa brasileira cria leitor de cartão com autenticação por impressão digital

Tecnologia promete comodidade e segurança em transações financeiras

São Paulo – O consumidor entrega o cartão de crédito ou débito para o atendente da loja, que passa em uma máquina para registrar o pagamento. Ao invés de assinar um recibo ou digitar uma senha, o cliente só precisa colocar o polegar sobre uma peça metálica a fim de confirmar que é realmente o proprietário do cartão, por meio da análise eletrônica de sua impressão digital.

Além de mais cômodo para o consumidor, o sistema é certamente mais seguro. Infelizmente ainda é apenas um protótipo que não está à disposição da rede bancária e varejista brasileira. Mas o modelo do novo terminal POS (como são chamadas as máquinas que leem cartões) já funciona em fase experimental, conforme mostrou a fabricante Perto Tecnologia, no evento Cards 2010, realizado entre segunda (26) e esta quarta-feira (28) em São Paulo.

A ideia promete vingar no futuro, já que traz todas as vantagens sem um custo muito alto. “A fabricação desse terminal requer uma tecnologia um pouco mais de ponta, mas o preço cai em função da escala de produção”, explica Cristiano Porto, gerente geral da unidade de POS da Perto.

“Uma grande beneficiária desse sistema seria o setor de saúde, em que é comum que parentes ou amigos emprestem carteirinhas de plano de saúde entre si para não ter de pagar por serviços médicos”, explica o executivo. “É um tipo de fraude, que acaba sendo extinto com a autenticação por digital”.

Além do POS com biometria, a Perto já tem tecnologia para produzir equipamentos para leitura de cartões sem contato (leia mais sobre o assunto aqui), modelo que já é usado em países da Europa, além de Estados Unidos e Japão. No Brasil, a tecnologia com cartões contactless e biometria ainda depende de aprovação por parte das bandeiras responsáveis pelos cartões e pelas chamadas empresas credenciadoras.

Rede de contratos

O mercado de cartões de crédito no Brasil é dominado pelas bandeiras Visa e Mastercard, que trabalham, atualmente, com apenas uma credenciadora cada, a Cielo (antiga Visanet) e a Redecard, respectivamente. Credenciadora ou adquirente é a empresa responsável por permitir aos estabelecimentos comerciais utilizarem cartões de crédito e débito das bandeiras que representa, cobrando pelo aluguel dos equipamentos que capturam essas transações, pelo processamento das vendas e pela antecipação dos recebíveis de crédito.

Depois de estabelecimento comercial, bandeira e credenciadora, na ponta dessa rede de contratos estão as fabricantes dos terminais POS. No Brasil, por enquanto, apenas duas fornecedoras de POS estão homologadas pelas adquirentes: a francesa Ingenico e a americana Verifone.

Até julho, a brasileira Perto Tecnologia, que tem sede em Gravataí (RS), espera entrar nesse mercado. Fabricante de equipamentos que vão desde leitores de códigos de barra até terminais de autoatendimento bancário, a empresa está em processo de homologação com as principais adquirentes e espera começar a distribuir suas maquininhas a partir do segundo semestre de 2010.

“São as primeiros POS cem por cento nacionais”, diz o gerente da unidade de POS da Perto. “Toda a tecnologia é própria, e já passou por testes que garantem estabilidade e confiabilidade”, afirma Porto. Para este ano, o gerente estima que 40 mil terminais devam ser vendidos no Brasil. A partir de 2011, a expectativa é que o volume de vendas fique entre 100 e 200 mil equipamentos.