Drone vira arma da Polícia Federal contra o crime no Rio

Investigação com drone termina com traficante preso e aponta importância de aeronaves, que devem fazer parte do esquema de segurança da Copa

São Paulo – Drones são tendência e ganham a cada dia novas funções ao redor do mundo. No Brasil, as aeronaves não tripuladas ainda são novidade, mas já são utilizadas por órgãos como a Polícia Federal (PF) – que prendeu um bandido no Rio após investigação com equipamento do tipo.

Conhecido como Menor P, Marcelo Santos das Dores era líder da facção criminosa Terceiro Comando Puro. Ele foi preso ontem à noite num apartamento duplex na avenida Geremário Dantas, no bairro do Pechincha, zona oeste do Rio. Dores chefiava o tráfico em 11 favelas do Complexo da Maré.

Durante um ano, o Vant (Veículo Aéreo Não Tripulado) da Polícia Federal acompanhou do alto os passos do bandido para fins de investigação. Comprado em 2010, o drone israelense tem 9,3 metros de comprimento e 16,6 metros entre as asas.

37h sem pousar

Segundo a PF, o avião é capaz de voar 37h sem parar e cobrir uma área de mais de 1000 km². “O aparelho pode fotografar e filmar pessoas ou objetos no solo de uma altura de até 30 mil pés (10 km), sem perder a nitidez”, afirmou o órgão em nota publicada em seu site.

Pilotado à distância com mouse e teclado, o Vant possui câmeras que são operadas por meio de joysticks. Além das investigações que levaram à prisão de Menor P, o drone também já foi usado pela PF em operações de vigilância da fronteira. 

“Ele é usado para vigilância, levantamento de área, identificação de suspeitos e a tentativa de localização deles”, afirmou sobre o Vant o superintendente da Polícia Federal Roberto Cordeiro em entrevista coletiva realizada ontem no Rio.

Copa

Durante a Copa do Mundo, a PF vai usar o drone no esquema de segurança montado para o evento. E o órgão não será o único a contar com aeronaves do tipo para a ocasião.

Hoje, foi anunciada a compra de um Vant pela Força Aérea Brasileira (FAB) no valor de US$ 8 milhões de dólares. Equipado com 10 câmeras de alta definição, o drone fabricado pela empresa israelense Elbit Systems exige 10 pessoas para ser operado e chega ao país no início de maio. 

Ao que tudo indica, os robôs voadores tendem a se tornar cada vez mais comuns no céu do Brasil. Agora, assista a vídeo que mostra uso de drones pela FAB e PF na vigilância de fronteiras: 

//www.youtube.com/embed/X1QeG5WFG74