Desafio da computação em nuvem é se integrar ao negócio da empresa

São Paulo – A tecnologia de computação em nuvem vem dando respostas eficientes e baratas às demandas de empresas de todos os portes por maior armazenamento e processamento de dados

São Paulo – A tecnologia de computação em nuvem vem dando respostas eficientes e baratas às demandas de empresas de todos os portes por maior armazenamento e processamento de dados. Mas, antes de mandar tudo para o céu dos ambientes virtuais, CEOs e CIOs devem avaliar cuidadosamente quais soluções atendem às suas necessidades e, sobretudo, planejar com cuidado o processo de migração de ambientes locais para a nuvem.

De acordo com Élcio Zaninelli, diretor de infraestrutura da consultoria de tecnologia CGI, as possibilidades envolvidas em uma migração para a nuvem são muito maiores do que reduzir custos com TI. O especialista afirma que o CIO deve ser capaz de demonstrar para a empresa os benefícios da nuvem além da economia e encontrar formas de usar essa tecnologia para alavancar o negócio principal da empresa.

“Os CEOs não entram em detalhes técnicos, e nem querem fazer isso, mas esperam que a empresa que oferece esse tipo serviço e o CIO que está apresentando a proposta à direção da empresa sejam capazes de fazer uma conexão da TI com o negócio principal da empresa”, diz o diretor da CGI.

Segundo estudo da consultoria de TI Capgemini publicado no fim de 2012, as decisões relativas à nuvem estão sendo cada vez mais tomadas por gestores de negócios. Na pesquisa Business Cloud: The State of Play Shifts Rapidly, constatou-se que a decisão de migrar para a nuvem foi tomada por gerentes de negócios em 45% dos casos analisados, aproximando-se do percentual de executivos de TI (46%) que fecham questão em favor da nuvem. O estudo aponta ainda que, em um futuro próximo, as decisões de nuvem serão centralizadas nos gestores de negócios.

CIOs também serão envolvidos na estratégia

Apesar da chegada de uma nova frente de mudanças, o céu continua límpido para os CIOs. O forte envolvimento de executivos de negócios no processo de definição da solução em nuvem a ser adotada e a contratação dos serviços de cloud computing não diminuem a importância do CIO e da equipe de TI nesse processo.

O professor de engenharia e lógica da Universidade Estadual Paulista (Unesp) Marinaldo Santos afirma que a TI deve não só conhecer em detalhes o projeto técnico do modelo de migração para nuvem como capacitar seus colaboradores para atuar com eficiência nas linguagens e softwares usados pela solução adotada. “O processo de qualificação começa pelo CIO, que deve ser capaz de estudar as alternativas oferecidas pelo mercado e, depois, transferir conhecimento e treinar toda a equipe de TI. Do contrário, é possível que a empresa desfrute apenas uma parte das possibilidades da nuvem”, diz Santos.

O pesquisador da Unesp afirma que CIOs e executivos de negócios também devem observar quais informações uma migração para a nuvem poderá gerar para a área de business intelligence.

“Um dos desdobramentos na nuvem é o que chamamos de big data, ou seja, o armazenamento e a análise de grandes volumes de dados. Um exemplo clássico desse recurso é o que permitiu, por exemplo, às empresas de varejo do Reino Unido descobrir que, em dias de sol, os consumidores compram mais sanduíches e refeições rápidas para viagem, enquanto, em dias de frio, consomem mais bolos e chá. Sabendo disso, as lojas passaram a mudar suas vitrines de acordo com o clima”, destaca Santos.

Para os especialistas, a nuvem é uma inovação da indústria de TI que está permitindo às empresas de todos os portes alavancar suas operações e melhorar a qualidade e inteligência de seus negócios ao mesmo tempo em que reduzem custos. O desafio é fazer isso melhor que seus competidores.