Dell Chromebox

logo-infolab

Os primeiros aparelhos com sistema Chrome OS chegaram ao Brasil entre o final de 2013 e o começo de 2014. Eram dois notebooks, um da Acer e outro da Samsung, que custavam menos do que um com sistema Windows. Agora, em 2015, a Dell trouxe ao Brasil o Chromebox, um mini computador de mesa que lembra o Mac mini, da Apple. Contudo, ele não é mais barato do que um PC com Windows, nem mesmo do que os Chromebooks, mesmo não vindo com tela, teclado ou trackpad.

Configuração e usabilidade

Como todos os aparelhos com Chrome OS, que é uma espécie de navegador expandido e com recursos de sistema operacional, uma configuração de hardware potente não é necessária para termos uma boa experiência. O Samsung Chromebook, por exemplo, executa as tarefas essenciais para a navegação na web mesmo contando com 2 GB de RAM e um processador Exynos.

Ainda assim, o Chromebox tem um chip Intel Core i3 de quarta geração (4030U) com dois núcleos, 4 GB de RAM DDR3 e um SSD de 16 GB para o armazenamento de dados. Esses componentes dão força mais do que o suficiente para todas as atividades que você pode realizar nesse aparelho.

O espaço em disco é pequeno, são somente 9 GB livres para, de fato, guardamos arquivos. O restante é ocupado pelo sistema, da mesma forma que acontece em qualquer computador. Como de praxe, o Google oferece 100 GB de espaço no Drive, a sua pasta na nuvem vinculada a uma conta Google. Com isso, você pode guardar todos os documentos, fotos ou vídeos online e ter na máquina somente o que realmente precisa. O porém é que a conexão com a internet é necessária 100% do tempo, caso você precise de algo que esteja no Drive. Isso não chega a ser um problema como nos notebooks, já que não é usual termos um computador de mesa em um local que não tenha conexão com a web. Vale destacar que há Wi-Fi padrão N neste produto.

Uma das principais vantagens do Chrome OS é que a quantidade de ameaças é menor do que todo o acervo de malware para Windows, como programas espiões que roubam dados ou que danificam arquivos. Ou seja, o sistema do Google para computadores pode ser usado com tranquilidade mesmo por pessoas que estejam ingressando agora na internet ou que não tenham muito conhecimento sobre conceitos de segurança digital. Evidentemente, golpes de engenharia social, que consistem em enganar internautas, ainda podem ocorrer, assim como em qualquer dispositivo conectado. Para evitá-los, basta estar atento.

Em termos de usabilidade, o sistema se limita a acessar a internet. As opções de apps encontradas na loja Chrome Web Store são webapps escritos em HTML5 ou Flash. Alguns deles são apenas atalhos para diferentes sites, como é o caso do pacote Office, da Microsoft.

 

O Chrome OS ainda é limitado e não oferece uma experiência de uso completa para quem só precisa de um PC para navegar na internet

 

A ênfase na utilização online acaba forçando o usuário a se desacostumar de funções básicas, como a habilidade de acessar a memória interna. A coisa mais próxima de um “Windows Explorer” ou “Finder” que existe no Chrome OS é o “Arquivos”, que majoritariamente lida com os arquivos do Google Drive e sua sincronização offline.

Porém, o Chrome OS ainda é limitado e não oferece uma experiência de uso completa para quem só precisa de um PC para navegar na internet e não precisa usar programas exclusivos do Windows. Por exemplo. Não é possível pagar uma conta no banco com o Chromebox porque a maioria dos aplicativos de segurança bancários usam o Java, que não tem suporte no Chrome OS.

Design

Pequeno e portátil, o Chromebox tem um visual clean. Mesmo assim, conexões não fazem falta ao produto. Ele tem:

– Uma saída HDMI;
– Uma DisplayPort
– Quatro portas USB 3.0
– Uma saída de áudio P2
– Slot para cartões SD

Apesar do número de conexões ser menor do que um computador de mesa com Windows oferece, o aparelho tem mais formas de plugarmos periféricos do que os Chromebooks. Em todo caso, O Chromebox tem um formato favorável para se adequar bem a apartamentos pequenos ou para ser simplesmente um PC que ocupe menos espaço e que te dê a liberdade de escolher o monitor que quiser, diferentemente do que acontece com os tudo-em-um.

Um ponto favorável de design de produto é que o Dell Chromebox pode se tornar mais potente, caso o usuário queira. Como em um desktop, é possível trocar memória RAM ou colocar um SSD com mais espaço para armazenamento de dados.

Vale a pena?

Escolher comprar um Chromebox é escolher ter que comprar um monitor, mouse e teclado, ou usar um conjunto antigo que você já tem em casa. Considerando o preço de 1 780 reais que a Dell cobra pelo aparelho no Brasil, ou 1 140 na versão mais básica, ele só vale a pena para quem é realmente entusiasta do Chrome OS ou para quem precisa de um computador somente para a navegação na internet que ocupe pouco espaço. De qualquer maneira, ainda será necessário ter um segundo PC em casa que tenha suporte ao Java, uma vez que não só aplicativos de segurança bancária o usam, mas também muitos outros, como, por exemplo, VPNs.

Ficha técnica

Processador Intel Core i3 4030U
RAM 4 GB DDR3
Armazenamento 16 GB de SSD (9 GB livres)
Peso 0,53 kg
Dimensões 124mm x 124mm x 42.5 mm

Avaliação técnica

Prós Portabilidade; Design refinado
Contras Chrome OS ainda carece de recursos; Preço alto
Conclusão Alternativa mais barata ao Mac mini e tem mais recursos do que o Chromecast. Bom para media center
Configuração 7,7
Design 8,0
Usabilidade 7,3
Conectividade 7,8
Média 7.7
Preço R$ 1 780