Dados de apps de transporte ajudarão a fiscalizar trânsito de SP

A ideia é que os dados sejam usados para identificar locais com alta concentração de pessoas para que sejam organizadas ações como as da lei seca

São Paulo – A Prefeitura de São Paulo usará dados de aplicativos de transporte para planejar operações de fiscalização de trânsito na cidade.

A ideia é que, com os dados dos Apps, seja possível identificar locais que estão com alta concentração de pessoas, como shows e bares, e, assim, organizar ações de segurança e de controle da lei seca.

A parceria foi divulgada na manhã desta terça-feira, 5, pela responsável de políticas públicas da 99, Ana Guerrini, uma das palestrantes do 1° Fórum de Mobilidade Urbana, evento promovido pelo jornal O Estado de S. Paulo na zona oeste da cidade.

Em um painel que discutiu a aplicação de tecnologia na mobilidade urbana, Ana explicou como a enorme quantidade de dados gerados pelos aplicativos de transporte, como o 99, pode ser usado pelo poder público para diversas ações, inclusive o planejamento de eventos.

Ela mostrou como exemplo de que maneira as regiões do chamado Baixo Pinheiros (a área entre a Marginal do Pinheiros e o Largo da Batata) na zona oeste, e de Santa Cecília, no centro, têm aumentado a concentração de pessoas à noite, enquanto as ações de fiscalização da Lei Seca estão na Vila Madalena e na Rua Augusta.

As informações já estão sendo comparadas com a Prefeitura que, desde o começo do ano, tem participado das blitze da Lei Seca conduzidas pela Polícia Militar.

Fórum

O evento de mobilidade, que ocorre nesta terça-feira, traz palestras de pesquisadores e de executivos das principais empresas do setor.

Ainda tratando de inovação na mobilidade urbana, Paulo Cabral, executivo da empresa de navegação Waze, citou exemplos de como compartilhamento de dados sobre congestionamentos estão sendo usados para melhorar o trânsito.

Falou de uma ação testada na zona portuária de Boston, nos Estados Unidos. “Com as informações de congestionamentos, eles reprogramarão os semáforos, e houve uma redução de 18% (na lentidão)”, explicou.

Já Pedro Palhares, diretor do aplicativo de transporte coletivo Moovit, citou outras aplicações possíveis: “Uma de nossas ferramentas permite fazer pesquisas sobre a qualidade do transporte” entre os usuários, o que poderia servir para o poder público fiscalizar os contratos de concessão.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Rodrigo Martins

    Pessoal, há uma consulta no portal e-Cidadania visando o aperfeiçoamento da Lei Seca, tornando-a mais justa. Apesar da sua aparente boa intenção, a Lei Seca é intrinsecamente imoral. Cabe esclarecer que dirigir sem condições físicas ou psicológicas é uma atitude absolutamente lamentável, mas não há crime sem dano. E toda lei que impõe uma sanção para uma conduta que não causa vítimas é moralmente injustificável. Existe uma diferença enorme entre beber e dirigir, e dirigir bêbado. A iniciativa da Lei Seca é louvável, mas sua aplicação, com tolerância zero, tem viés arrecadador. O correto seria instituir uma margem de tolerância, como acontece em muitos países desenvolvidos que sabem fazer a distinção entre causa e efeito. Assim, tiramos das ruas os irresponsáveis que colocam a vida dos outros em risco, frente a multar e incriminar quem consome quantidades ínfimas e/ou toleráveis de bebida. Se você apoia essa ideia, acesse o link abaixo, dê o seu voto favorável e compartilhe a informação.

    https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaoideia?id=91653