Conheça o acessório de smartphone que diagnostica o HIV em 15 minutos

Desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Columbia, o dispositivo custa 34 dólares para ser fabricado

Uma equipe de pesquisadores da universidade de Columbia, em Nova York, desenvolveu um aparelho que, acoplado a um celular, detecta o HIV e a sífilis em menos de 15 minutos.

De acordo com os pesquisadores, o dispositivo, que custa apenas 34 dólares para ser fabricado, pode “transformar a forma como serviços de saúde são disponibilizados pelo mundo”.

Durante testes realizados em Ruanda, onde 200 mil pessoas estão infectadas com HIV, os cientistas descobriram que a ferramenta, que detecta a doença com apenas uma gota de sangue, teve um nível de eficácia parecido com aparelhos usados por hospitais, muito mais caros.

O dispositivo pode ser acoplado na saída para fones de ouvido de um smartphone e é equipado com reagentes químicos que testam a amostra de sangue em até 15 minutos.

De acordo com o estudo publicado nesta quarta (4) pela revista científica Science Translational Medicine, o aparelho conseguiu atingir sensibilidade de 92% e 79% de especificidade dos casos HIV.

A sensibilidade é a medida dos pacientes corretamente identificados com o HIV, enquanto a especificidade mede a precisão que o aparelho teve em identificar as pessoas que não eram portadoras do vírus.

O aparelho também registrou 70% de sensibilidade e 80% de especificidade no teste da sífilis, o que, segundo os pesquisadores, pode reduzir em dez vezes o número de mortes pela doença, considerando a possibilidade de um diagnóstico precoce.

“Nosso trabalho mostra que testes imunológicos com qualidade laboratorial podem ser feitos em um acessório de smartphone˜, afirma Samuel Sia, professor de engenharia biomédica em Columbia.

“Alguns diagnósticos que precisam de laboratórios para serem feitos podem ficar acessíveis a qualquer população com acesso a smartphones”, diz Sia.

Quase 70% das infeções por HIV no mundo acontecem nos países da África Subsaariana, uma das regiões mais pobres do planeta.