Compradores online gastam o dobro em sites internacionais, de acordo com pesquisa realizada pelo PayPal

Estudo investigou os hábitos de compras online de mais de 17 500 consumidores em 22 mercados - 800 em cada

Uma pesquisa realizada pelo PayPal em parceria com a Ipsos entre outubro e novembro deste ano revela que os consumidores que compram em sites internacionais gastam o dobro do que aqueles que compram em sites nacionais.

O estudo investigou os hábitos de compras online de mais de 17 500 consumidores em 22 mercados – 800 em cada – e também mostra que os principais países procurados pelos brasileiros na hora das compras online são China e Estados Unidos. A cada dez compras realizadas, seis são em sites de alguns destes dois países.

Roupas e calçados são os produtos mais procurados por aqueles que compram em sites internacionais, representando 39% das compras no exterior. Em seguida vêm os produtos eletrônicos, segunda categoria mais popular, com 26% das compras online internacionais.

Dos 800 entrevistados no Brasil, 70% realizaram uma compra online no último ano. Destes, 50% fizeram compras em sites nacionais e 50% fizeram compras internacionais. Entre eles, ainda, 84% realizaram as compras em desktop, 10% por smartphones e 6% compraram pelo tablet. Das compras em sites nacionais, 86% foram realizadas por desktops, 9% por smartphones e 5% por tablets. Já nas compras internacionais, o desktop foi responsável por 79% delas, os smartphones por 12% e os tablets por 9%.

Para Renato Pelissario, diretor de marketing do PayPal para a América Latina, o Brasil passa  por um processo de internacionalização nas compras online. “Saber que 50% das compras foram realizadas em sites internacionais é muito interessante. Nos EUA, 30% dos americanos fizeram compras online em sites estrangeiros. Na China, 26%. Essa internacionalização dos consumidores brasileiros é bastante acentuada”, afirmou.

Estratégias de compra

A pesquisa mostrou que as estratégias de compra dos consumidores que utilizam a Internet variam de acordo com o segmento do comércio. Entre os consumidores de aparelhos eletrônicos, por exemplo, 57% pesquisam e compram online. Já 42% pesquisam online, mas preferem comprar em lojas físicas. Para 40%, é melhor pesquisar em lojas físicas e comprar online, e 37% preferem pesquisar e comprar nas lojas físicas.

Já entre aqueles que compram vestuário e calçados, 56% pesquisam e compram em lojas físicas, enquanto 45% pesquisam online mas preferem buscar o produto pessoalmente. Já 26% pesquisam na loja e compram online, e 35% pesquisam e compram online.

“Reparem que, entre os que compram produtos eletrônicos, o número dos que pesquisam e compram online é grande (57%). Já em vestuários, as pessoas preferem pesquisar e comprar online”, disse Pelissario.

De acordo com ele, existe uma lógica bem interessante e que parece fazer sentido com o que a pesquisa descobriu sobre o comportamento dos consumidores. “Quando você compra um eletrônico, a necessidade de olhar antes de comprar é pequena, você já conhece o que está comprando. Então as pessoas se sentem mais confortáveis em fazer esse processo inteiro no online, já que o que interessa é o preço. Agora, quando você pensa em roupas, é tipicamente o tipo de produto que você quer ver se o caimento ficou bom, se serviu direito. A experiência física passa a ser muito importante”, afirma ele.

O segredo do sucesso

De acordo com a pesquisa, o frete grátis é o grande motivador das compras online. Mais da metade (51%) dos que fizeram compras internacionais no último ano disseram que os custos com a entrega os impedem de comprar mais. Da mesma forma, 47% de todos os compradores online disseram que o frete grátis torna a compra mais provável.

O futuro do e-commerce

Para o futuro, 16% dos entrevistados (que já realizaram ou não compras online) pretendem começar a comprar em sites nacionais. Aproximadamente 45% dizem que vão comprar mais do que compram hoje, 31% estimam manter o mesmo patamar de compras que realizaram neste ano e 7% apontam intenção de aumentar o volume de compras que fizeram este ano.

Entre as pessoas que compram fora do Brasil, há uma projeção maior de incremento das compras. Delas, 33% dizem que irão diminuir o volume de compras, 36% dizem que vão manter o mesmo patamar e 13% pretendem comprar ainda mais. Há, ainda, os 18% que pretendem começar a comprar em sites estrangeiros.

Sobre dispositivos móveis e intenção de compra, 77% pretendem comprar pelo desktop nos próximos 12 meses, enquanto 16% pretendem comprar por smartphones e 6% disseram que comprarão por tablet. O número de compras por dispositivos móveis é maior entre aqueles que realizam compras internacionais: 27% contra 22%.