Compacto e jovial, Volvo XC40 é o SUV para ficar de olho em 2018

Modelo desembarca em três versões e os preços partem de R$ 169 950

Volvo XC40

 (Volvo/Divulgação)

“Tente encontrar a porta”, ela disse. Ela, no caso, era uma morena com sotaque sueco e um sorriso de canto de boca.

Fiquei envergonhado. Estávamos só eu, a sueca, dois jornalistas e uma parede.

E, por mais que tentasse, eu não conseguia decifrar o enigma. Até que localizei uma dobradiça falsa, que na verdade era uma maçaneta.

Puxei, um corredor se abriu à minha frente e o meio sorriso dela virou sorriso inteiro: “Welcome to Paradiso”, escutei.

Eram 11h da manhã e eu estava entrando em um dos melhores bares de Barcelona.

Lá dentro, fui recebido por uma estupenda coleção de garrafas, incluindo uma seção exclusiva de uísques japoneses.

E também por um coquetel sem álcool. O pecado da abstinência etílica no bar tinha razão de ser: ali dentro estava a chave do novo XC40, que eu logo estaria dirigindo.

Mas por que, afinal, estávamos numa Disneylândia alcoólica oculta se o objetivo era guiar um carro? “Hoje vocês conhecerão as joias secretas de Barcelona”, explicou uma executiva da Volvo.

Do Paradiso, seguimos pelas estradas da Catalunha para um estúdio que faz pranchas de surfe sob medida.

Volvo XC40

 (Volvo/Divulgação)

Depois, enfrentamos as ruas estreitas do centro da cidade para chegar a um ateliê. Joia secreta: eis o conceito que os suecos enxergam para o seu produto.

No Brasil, no entanto, o sonho da Volvo é que o XC40 seja a peça mais reluzente da coroa.

O objetivo é fazer dele, a partir do fim de março, quando será lançado, o líder de vendas da montadora no país.

Mais do que isso, um concorrente à altura de Audi Q3, BMW X1 e Mercedes GLA no segmento mais quente do mercado premium, o dos SUVs compactos.

Para ganhar a briga nas concessionárias, talvez ainda falte para a Volvo ser uma marca tão desejada quantos as alemãs.

Mas certamente não falta carro: o XC40 briga de igual para igual com seus inimigos.

Volvo XC40

 (Volvo/Divulgação)

Começando pelo visual. A montadora sueca costuma apostar no “design escandinavo”, um conceito traduzido em carros discretos, minimalistas e de bom gosto.

O XC40 é mais ou menos isso: bem desenhado como seus irmãos XC60 e XC90, mas com um ar jovial que há tempos não se via na marca.

As caixas de rodas são bem salientes. E a coluna traseira triangular, somada ao teto preto, certamente vai fazer a fama do carro nas ruas. Moderninho demais para o meu paladar – e uma ótima aposta pensando no gosto da maioria.

Lembra da conversa sobre “joias secretas”? Pois é no interior do XC40 que elas se revelam.

Os bancos são sinônimo de conforto. A posição de dirigir é tão boa quanto uma camisa feita sob medida.

Volvo XC40

 (Volvo/Divulgação)

E as boas ideias se espalham pela cabine. Há pequenos vãos só para levar cartões. Ganchos espertos colocados nos lugares certos.

Botões que fazem apenas o essencial, porque todos os outros comandos estão na central multimídia. Central, aliás, que é um dos grandes trunfos da Volvo hoje.

Volvo XC40

 (Volvo/Divulgação)

Tanto pelo posicionamento vertical quanto pelo tamanho e, principalmente, pela interface amigável. Nela, tudo é fácil de ser encontrado, além de oferecer espelhamento com o celular através do Apple CarPlay e Android Auto.

Ela é complementada pelo painel de instrumentos em TFT, customizável. Na versão mais cara, a R-Design, ainda existem 13 alto-falantes Harman Kardon, com 600 W.

Volvo XC40

 (Volvo/Divulgação)

Por fim, há a porta. Eu nunca vi resenha de carro dedicando parágrafo inteiro em elogio às portas.

Mas chegou a hora, porque as do XC40 são uma pequena obra de arte. Primeiro, há inovação de não carregarem alto-falantes: a Volvo os encaixou atrás do painel.

Na prática, isso significa que você pode levar telefone celular, garrafas de água ou os bonequinhos da Patrulha Canina das crianças sem causar vibrações que estragam o som.

Significa também que há espaço suficiente para carregar, com folga, até um notebook. Há um último e precioso detalhe: os puxadores são praticamente embutidos na porta, o que faz com que eles não roubem espaço da sua perna.

Volvo XC40

 (Volvo/Divulgação)

Sob o capô, o Brasil receberá duas opções de motor: 190 cv (com tração dianteira) e 252 cv (com tração integral). Ambas levam câmbio automático de 8 marchas.

Dirigi a versão mais potente. É impossível dizer que ela decepciona, mas também é impossível dizer que o desempenho seja a parte memorável do carro (um detalhe importante: os suecos já anunciaram que, a partir de 2020, utilizarão apenas motorização híbrida ou elétrica).

E como manda a tradição da Volvo, há um pacote de sistemas de segurança: todas as versões recebem o City Safety, que tem frenagem automática capaz de reconhecer pedestres, animais, ciclistas e assim evitar colisões.

A versão topo também tem o Pilot Assist, que adiciona uma camada de direção semiautônoma ao carro, assumindo o comando do acelerador, direção e freio, cabendo ao motorista apenas manter as mãos sobre o volante para não violar as regras de trânsito.

Volvo XC40

 (Volvo/Divulgação)

Preço? A brincadeira começa em R$ 169 950. A versão Momentum, provavelmente a de melhor custo/benefício, vale R$ 189 950.

E a R-Design, a mais bem equipada, R$ 209 950.

As joias, afinal de contas, nunca custam pouco dinheiro. Mas sempre valem o investimento.

Ficha Técnica

■ Motor: 4 cilindros 16V Potência — 190 cv e 252 cv
■ 0 a 100 km/h — 6,5 s
■ Velocidade máxima: 230 km/h
■ Preço: a partir de R$ 169 950