Colômbia sediará evento que promove a energia limpa

Cáli será sede do "Solar Decathlon", um grande laboratório que irá promover a pesquisa e o desenvolvimento em torno das energias renováveis

Bogotá – A cidade colombiana de Cáli será sede da primeira versão latino-americana do “Solar Decathlon”, um grande laboratório que reunirá acadêmicos, empresas, instituições e estudantes para promover a pesquisa e o desenvolvimento em torno das energias renováveis.

Durante o evento, que será realizado entre 15 de novembro e 14 de dezembro, universitários e especialistas de todo o mundo irão propor soluções energéticas eficientes a problemas de moradia na América Latina.

“Esperamos que três projetos dos 20 que participam fiquem em Cáli e que se crie um grande laboratório urbano de energias limpas”, disse à Colômbia.inn, agência operada pela Efe, o diretor de operações de Solar Decathlon, Carlos Rodríguez.

Um total de 20 equipes de 25 a 40 integrantes apresentarão seus projetos, que devem responder a quatro necessidades latino-americanas: habitação social, densidade de população, aproveitamento eficiente dos recursos naturais e relevância internacional sob o uso de tecnologia solar.

As iniciativas devem ter uma proposta de urbanismo para um hectare que abranja pelo menos 120 casas, de 60 a 80 metros quadrados, e inclua vias de acesso, zonas verdes e comuns. De acordo com Rodríguez, o teto de investimento para cada casa deve ser de US$ 50 mil.

Os participantes, que são tanto da própria Colômbia, quanto do Brasil, Chile, Costa Rica, Reino Unido, Japão e Espanha, têm até o próximo 30 de outubro para inscrever seu projeto. Uma vez fechada a convocação, um comitê com integrantes da Universidade do Valle, em Cáli, do Departamento de Energia e do Laboratório Nacional de Energia Renovável, esses últimos dos Estados Unidos, escolherão as iniciativas que melhor respondam aos eixos temáticos estipulados.

“Os participantes deverão pensar em propostas que otimizem o espaço físico e a densidade”, disse o diretor.

Cada equipe selecionada receberá US$ 80 mil antes mesmo da concorrência para que possam financiar a construção do protótipo. E como cada grupo deverá custear a viagem e hospedagem, a proposta deve incluir um plano para atender essas despesas.

Rodríguez espera que ao redor da feira se crie uma grande plataforma de negócios onde o setor acadêmico, privado e a comunidade possam estabelecer novas oportunidades de desenvolvimento e urbanismo sustentável. Além disso, todas as equipes que participam assinam um acordo em que cedem os direitos a Cáli e à Colômbia de usar os desenhos para novas propostas de urbanismo.

As denominadas “Solar Decathlon”, realizadas a cada dois anos, são competições acadêmicas e de pesquisa internacional que nasceram em 2002 da iniciativa do Departamento de Energia dos Estados Unidos para desenvolver modelos sustentáveis e eficientes de consumo energético. A primeira versão na Europa foi em 2010 e na Ásia ocorreu no ano passado.

Na América Latina, além da Colômbia, fizeram gestões para acolher esta iniciativa o Brasil, Peru e Chile, embora o Departamento de Energia dos EUA tenha escolhido Cáli, “porque procura se posicionar como uma cidade verde”, explicou Rodríguez.