Brasileiros confiam mais na tecnologia do que em seres humanos, diz estudo

Estudo revela que mais da metade dos brasileiros prefere que suas informações estejam nas mãos da tecnologia

São Paulo – Mais da metade dos brasileiros preferem deixar os seus dados pessoais nas mãos da tecnologia do que nas mãos de humanos. Em uma pesquisa feita pela multinacional de cibersegurança Palo Alto Networks, 52% dos 1.006 entrevistados revelaram ter mais confiança em serviços de inteligência artificial do que em seres humanos.

Em parceria com a empresa de pesquisa YouGov e a especialista em cibersegurança, Jessica Baker, uma pesquisa com mais de mil brasileiros foi realizada para entender o que a população, de maneira geral, pensa sobre deixar informações pessoais, senhas e outros dados aos cuidados de segurança das novas formas tecnológicas – como a inteligência artificial e a criptografia de dados.

Marcos Oliveira, diretor-geral da Palo Alto Networks no Brasil, acredita que a tecnologia é necessária para as questões de segurança atualmente. “A inteligência artificial tem um papel-chave na cibersegurança dos dias atuais”, disse Oliveira, em nota. Por conta de inúmeros ataques de hackers, os seres humanos precisam saber proteger suas informações no mundo virtual.

No entanto, nem todos os entrevistados acreditam que precisam depender exclusivamente da tecnologia. 54% dos entrevistados gostariam de saber mais como cuidar da segurança virtual de suas informações particulares, e 82% disseram estar fazendo o possível para se prevenir. Segundo a Barker, a confiança dos usuários é extremamente importante para que a cibersegurança funcione. “Pessoas querem estar engajadas ativamente para se protegerem online e contam com a tecnologia para ajudá-las nessa empreitada”, afirmou Barker, em comunicado.

Para uma boa experiência digital, a rapidez e a facilidade das buscas em conjunto com a proteção de suas informações – como dados bancários – são necessárias. Os entrevistados da pesquisa online responderam, em uma escala de 0 a 10, o quanto as verificações digitais impactam a experiência de navegação. A opção 0 significava “muito negativamente” e a 10 “muito positivamente”. A média das respostas ficou entre 8 e 9.

O comportamento das pessoas é uma peça-chave no sucesso da cibersegurança e maus hábitos ou falta de conhecimento têm sido, desde sempre, o elo fraco da corrente”, disse Oliveira. 

Apesar de a tecnologia estar ganhando a confiança dos brasileiros com o tempo, melhorias ainda são necessárias para que os serviços virtuais se tornem realmente seguros e protegidos. Além disso, os seres humanos também precisam ter conhecimento e cuidado para evitar ameaças cibernéticas, uma vez que todos estão na linha de frente da defesa digital das empresas – sejam ou não funcionários do setor de tecnologia.