Brasileira Looke aposta em segmentos em que Netflix falha

Plataforma online tem mais de 12 mil conteúdos disponíveis, que podem ser vistos gratuitamente, comprados ou alugados

São Paulo – A empresa brasileira de transmissão de filmes online Looke aposta em segmentos nos quais a Netflix falha por investir pouco. A plataforma conta, por exemplo, com uma série de curta-metragens, filmes nacionais, documentários e animações infantis que hoje não têm espaço no serviço americano. 

O Looke surgiu a partir da sua provedora de conteúdo, chamada Encripta, que atua no segmento de vídeo sob demanda. Em novembro de 2015, ela comprou a marca Netmovies, que nasceu de maneira parecida com a Netflix – locando DVDs com entrega em casa – e também entrou no segmento de distribuição digital. 

O modelo de negócio do Looke é uma mistura de Netflix com iTunes. Os filmes mais novos são vendidos ou alugados virtualmente (por 48h), por valores médios de 9,90 reais, e os demais são oferecidos na plataforma de streaming gratuitamente. 

Um dos conteúdos mais procurados do serviço é a animação Niloya, que conta a história de uma menina de quatro anos que vive em uma pequena vila com sua família. 

A novela corena Happy Ending também tem uma alta procura dos internautas, de acordo com a empresa. 

No total, são 12 mil conteúdos disponíveis no Looke atualmente. Em breve, como resultado de um acordo com a BBC, o seriado médico Critical chegará à plataforma com um período de exclusividade. Animações como Digimon e Cavaleiros do Zodíaco também estarão disponíveis dentro de algumas semanas.

“Em vez de ser uma loja virtual ilimitada onde as prateleiras são renovadas de tempos em tempos, o Looke é uma loja virtual que está sempre em expansão”, afirmou Luiz Guimarães, diretor de negócios da companhia. “A plataforma não é só de conteúdos de nicho, o Looke também vai atrás de títulos importantes e os oferece para locação ou compra e, então, no streaming ilimitado.” 

No serviço de transmissão online, o Looke oferece assinatura com suporte para a reprodução simultânea em três dispositivos por 18,90 ao mês. Também é possível comprar ou alugar títulos sem ser assinante.

Segundo Guimarães, o serviço é mais usado em Smart TVs do que em smartphones, tablets ou computadores. Entretanto, vale notar que a companhia tem parcerias com fabricantes como LG, Samsung e Philips e que o seu app vem pré-instalado de fábrica nos aparelhos dessas marcas. 

Assim como a Netflix, o Looke tem uma tecnologia de transmissão de vídeo adaptável para a rede do usuário, reduzindo ou aumentando a qualidade da imagem conforme a velocidade da internet. Por isso, internet banda larga brasileira com velocidade abaixo da média global (a conexão média no Brasil tem velocidade de 3,6 Mbps, segundo a Akamai) não se torna um problema, na visão do executivo. 

O Looke continua em expansão e deve adicionar mais 500 horas de vídeos nacionais em breve, mas a empresa não se vê como concorrente direta da Netflix, que tem hoje 81,5 milhões de assinantes (77,7 milhões realmente pagam pelo serviço) e uma série de conteúdos originais. “Somos um serviço complementar”, diz Guimarães.