Brasil tem a tarifa de celular mais cara do planeta

Estudo da União Internacional de Telecomunicações apontou que, por aqui, o minuto ao celular custa três vezes mais que nos EUA e cinco vezes mais que na Espanha

São Paulo – Falar ao celular no Brasil pode ser três vezes mais caro que nos Estados Unidos e até cinco vezes mais caro que na Espanha. A constatação foi divulgada na manhã de hoje pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) em seu relatório anual.

De acordo com o estudo, cuja publicação foi antecipada pelo Estadão, os brasileiros pagam, no horário de pico, 0,71 dólar por minuto em chamadas realizadas entre números de uma mesma operadora.

Este preço, contudo, sobe para até 0,74 dólar na ocasião de o usuário estar realizando uma ligação para uma operadora diferente da sua. Em Hong Kong, por exemplo, o minuto ao celular custa 0,01 dólar fora do horário de pico. 

Avanços

Apesar de estar longe de ter a tarifa mais barata no que diz respeito ao mundo dos celulares, o relatório lembrou que existem avanços consideráveis no país quando o assunto é acesso à internet.

De acordo com a UIT, a quantidade de lares conectados no país subiu de 38% para 45% entre 2011 e 2012. Já em relação ao acesso à internet sem fio, a penetração subiu de 22% em 2011 para 37% no ano passado.


A quantidade de celulares a cada cem brasileiros também subiu de 2011 para 2012. Segundo a UIT, o país conta com uma média de 125 celulares para cada cem brasileiros. No ano anterior, este número não passava dos 119.

Mundo

O estudo revelou um retrato sobre as perspectivas do acesso à internet via dispositivos móveis como smartphones e tablets. A expectativa é que, até 2013, existam 6,8 bilhões de planos de internet móvel contratados mundo afora e cerca de 2,7 bilhões de pessoas estejam conectadas à internet.

Nativos Digitais

A UIT analisou ainda a participação dos chamados “nativos digitais”, isto é, jovens com idade entre 15 e 24 anos que têm mais de 5 anos de experiência online. De acordo com os números encontrados pelo estudo, das 7 bilhões de pessoas do planeta, 363 milhões podem ser classificadas como tal.

Nos chamados países desenvolvidos, dentre os 145 milhões de jovens usuários de internet, 86,3% deles receberam este título. Já nos países em desenvolvimento, menos da metade dos 503 milhões de jovens conectados pertencem a este grupo.