Barack Obama critica quarentena para conter ebola

O governo dos EUA chamou a política de 'não fundamentada na ciência', mas não pediu formalmente que os governadores dos dois estados interrompessem a medida.

A administração do presidente americano Barack Obama afirmou que está preocupada com as quarentenas determinadas em New Jersey e Nova York para controlar a transmissão do ebola. O governo dos EUA chamou a política de “não fundamentada na ciência”, mas não pediu formalmente que os governadores dos dois estados interrompessem a medida.

Os governos locais de Nova York e Nova Jersey exigiram quarentenas de 21 dias para trabalhadores de saúde que trataram vítimas da doença na África Ocidental.

Um alto funcionário da administração Obama afirmou que a política pode minar os esforços de contenção do vírus, desencorajando os trabalhadores médicos a viajar para a África. Ele acrescentou que o governo federal vai lançar em breve diretrizes nacionais sobre o retorno de trabalhadores médicos. O funcionário falou em condição de anonimato.

O presidente Barack Obama se reuniu neste domingo (26) com a equipe de combate ao ebola.