Ataque hacker ao Telegram ocorreu durante protestos em Hong Kong

Aplicativo de mensagens tem seus serviços desativados

São Paulo – Na última quarta-feira (12), o Telegram, aplicativo russo de mensagens instantâneas, ficou fora do ar devido a um ataque de negação de serviço, o que fez com que milhares de usuários ficassem impedidos de utilizar os servidores. Diferentemente de uma invasão, esse ataque consiste em sobrecarregar os servidores da empresa e inviabilizar o uso da aplicação.

Desde a semana passada, milhões de residentes de Hong Kong, na China, estão no meio de uma discussão política com seus representantes em razão de algumas emendas que foram propostas a lei de extradição, que permitiriam que uma pessoa fosse enviada para julgamento em outro lugar, inclusive na China continental.

Pavel Durov, fundador do aplicativo, disse que o ataque estava vindo, principalmente, de endereços localizados dentro da China. Isso sugere que o governo chinês poderia estar por trás da sabotagem aos protestos em Hong Kong. Muitas destas pessoas estariam utilizando o serviço de mensagens encriptadas do Telegram para se comunicarem durante as manifestações.

Tweet Pavel Durov

Embora seja evidente que um ataque de negação de serviço não tenha nada a ver com a segurança dos dados armazenados nos servidores do aplicativo – o foco do ataque é desativar, de maneira offline, um serviço -, a empresa garantiu que os dados dos usuários estão seguros em sua plataforma.

No Twitter, em resposta ao tuíte de Durov, houve comentários que relacionaram o caso com a falta da liberdade civil, enquanto outros pediram para que o fundador do Telegram liberasse os endereços IP para provar a sua hipótese.